A edição 2022 da CasaCor abre as portas ao público nesta terça. Os 59 ambientes se fundem aos 35 anos de história da mostra e às estruturas e memórias do Conjunto Nacional, edifício icônico de São Paulo, onde a feira de decoração ficará abrigada até 11 de setembro. 

(ANELISA LOPES ESCREVE ÀS TERÇAS. SIGA SEU PERFIL NO INSTAGRAM: @anelisalopes)

Regionalismo como conceito no projeto de Nildo José (foto: arquivo pessoal)

Quem esteve na mostra no ano passado vai se impactar com a estrutura montada para este ano. A começar pelo espaço escolhido, que imprime a identidade paulistana em meio à avenida Paulista em uma construção do final da década de 50. A intervenção já começa nas rampas que dão acesso aos ambientes que, diferentemente do ano passado, quando transmitiram uma sensação de show room, unificaram personalidade, sofisticação e acolhimento. Logo na entrada, o visitante se depara com um templo de relaxamento construído pela Deca para respirar antes de começar a maratona. 

Espaço idealizado por Roberto Migotto para a Deca (foto: arquivo pessoal)

O retorno da cor não só nas paredes, mas nos revestimentos, louças e mobiliário anunciam que a paleta infinita de cinzas e crus ficou para trás. Alguns ambientes ainda dão o tom com monocromia, mas abusam de texturas e materiais, resultando em um drama chique mesmo transitando nas várias tonalidades de uma mesma cor. A superfície, mate ou fosca, dá leveza ao acabamento das peças. 

O retorno da cor no projeto de Marcelo Salum (foto: arquivo pessoal)

A iluminação tem papel importante nos efeitos dos espaços. De forma minimalista, por meio de fitas, spots de embutir e sobrepor bem pequenos, criam cenários luminotécnicos e guiam os visitantes por meio de contrastes entre claro e escuro. Quem visitar a mostra durante o dia também ganhará a vista da Paulista como fundo, emoldurada pelos enormes janelões do Conjunto Nacional. 

O resgate da identidade nacional, depois de tanto tempo sem sairmos de casa e do Brasil, fica claro com as pitadas modernistas da semana de 22 e também por meio do regionalismo, com muitas peças artesanais e releituras de itens da época dos nossos avós. Ponto positivo também para a mobiliário autoral dos designers e arquitetos, que dispensaram o uso de móveis prontos fornecidos pelas lojas em vários ambientes. 

Sofá autoral no studio de Edgar Rochell/Janaina Casagrande (foto: arquivo pessoal)

O paisagismo cumpre papel decisivo nesta edição da CasaCor e faz um contraponto às colunas e vigas descascadas do edifício. Um ponto de sustentabilidade que me chamou a atenção foi o uso de sobras de materiais em alguns projetos, como peças de mármore e granito em pequenos formatos, formando ladrilhos. 

Para quem gosta do programa, vale uma visita detalhada e um pit stop no restaurante montado no terraço superior. Depois de ser bombardeado com tanta inspiração, a vista de lá – e o cardápio – é recompensadora. 

Ladrilho de sobras de pedra natural no studio de Ana Weege (foto: arquivo pessoal)

CasaCor SP – serviço

05 de julho a 11 de setembro de 2022

Terça a Sábado das 12h às 22h

Domingos e Feriados das 11h às 21h

Conjunto Nacional

Av. Paulista, 2073 – Cerqueira César