Há alguns dias, venho me dedicando a organizar armários e gavetas esquecidos no dia a dia. Qual não foi a minha surpresa ao descobrir que vivo com metade do que vinha sendo acumulado, principalmente, papel? Em tempos digitais, não há motivo para amontoar tanta inutilidade. 

(Anelisa Lopes escreve sempre às terças sempre às terças. Acompanhe alguns de seus projetos e referências no Instagram: @a81_design)

Que tal uma limpa antes da transformação do ambiente? (foto: arquivo pessoal)

Pensando a respeito deste assunto, lembrei que uma das dúvidas mais recorrentes que recebo quando posto imagens de antes e depois dos projetos é para onde vão tantos objetos e tralhas que estavam no ambiente antes da transformação. Algumas vezes, o resultado é tão impactante que a foto parece não corresponder ao mesmo local.

Na verdade, o trabalho de designer de interiores começa muito antes de planejar como ficará o novo espaço. Sempre oriento os clientes a fazerem uma “limpa” antes da mudança – e não posteriormente, com os móveis novos, como a maioria costuma fazer. 

O mesmo espaço após a mudança: desapegue de tudo aquilo que não faz falta (foto: arquivo pessoal)

Explico: a partir da seleção de móveis e objetos é muito mais fácil mensurar o quanto de espaço de armazenamento será necessário. Isso vale para todos os ambientes: que tal diminuir o número de sapatos antes de pensar no tamanho da sapateira? Ou ainda doar aquele jogo de jantar pouquíssimo usado para que tudo caiba em um único móvel na sala? 

Além de ser um ótimo exercício de desapego e doação, com certeza renderá uma bela economia no projeto de marcenaria e na compra de mobiliário. Além disso, com menos espaço para entulhar, menores as chances de guardar tudo aquilo que você nem se lembrava que existia.