Diferentemente do que acontece em outros países, como na Europa, por exemplo, o brasileiro tende a pintar a casa a cada quatro, cinco anos, incluindo todos os ambientes e contratando um profissional para tal tarefa. E quando chega a hora desta missão, normalmente, parte para o mais óbvio: uma paleta de cores neutras para enfrentar mais um período até a próxima mudança de um neutro para um suave. Ou seja, troca seis por meia dúzia. 

(Anelisa Lopes escreve sempre às terças. Acompanhe alguns de seus projetos e referências no Instagram: @a81_design)

Como usar cores sem medo? (foto: arquivo pessoal)

Em um dos eventos de estudo e revelação de cor do ano que participei na semana passada, entendi que esta execução se dá principalmente porque preferimos pintar a casa inteira de uma vez e fazemos isso por meio de uma equipe. Lá fora, a ousadia é maior por ser um processo de experimentação, ou seja, a própria pessoa pinta um cômodo, na outra estação passa para o outro e assim vai. 

Usar cores não é uma tarefa simples, mas pode ter um efeito incrível não só na decoração como no efeito que elas provocam. A dica é delimitar as opções, por meio de alternativas que combinem não só com o seu gosto, mas que conversem com o mobiliário existente e que tenha um efeito bacana conforme a incidência de luz natural do espaço. E se existe o medo de ousar numa tonalidade mais forte, que tal eleger um móvel, uma porta ou meia parede para recebê-lo?

O uso das cores também não precisa estar associado somente às paredes. Um sofá, armário ou objetos de decoração que causem um efeito visual por meio das suas tonalidades também são uma boa pedida para trazer mais cor para a casa e para a sua vida.