Confesso que nos últimos meses, me rendi à compra online de itens de decoração por comodidade e economia de tempo. Em alguns casos, principalmente para os projetos mais rápidos, tenho escolhido até móveis pela internet devido ao prazo de entrega. Mas esse processo precisa de alguns cuidados para que a compra não acabe em frustração. 

(ANELISA LOPES ESCREVE ÀS TERÇAS. PERFIL NO INSTAGRAM: @anelisalopes)

Como passo muito tempo pesquisando e analisando produtos online, listei cinco critérios que aplico para fazer meus pedidos e os dos clientes – depois de adquirir alguns gatos por lebres… 

1. Preço x loja 

Se você nunca ouviu falar da loja que ofereceu aquela poltrona maravilhosa por um valor bem abaixo do mercado, desconfie. Lojas com espaço físico e  boa reputação costumam liquidar suas peças no início do ano e a partir do segundo semestre. E, mesmo assim, o desconto normalmente não chega a mais de 50%. 

2. Medidas 

Dependendo do ângulo em que a foto do produto foi feita, ele pode parecer bem maior que a realidade. Sempre olhe as dimensões na ficha técnica e, se achar necessário, avalie com uma régua ou trena (muitas vezes não temos noção de medidas até comprová-las). A dica vale para pendentes, lustres, vasos e itens menores, como porta-retratos. 

3. Material 

Como dito na primeira dica, é difícil encontrar produto com preço milagroso. Por isso, fique atento ao material, principalmente quando for  MDF/MDP ou tiver espuma e tecido. As especificações, em alguns casos, não são muito claras, então, não hesite em mandar uma mensagem para confirmar o tipo e, consequentemente, qualidade do material. 

4. Montagem 

A maior parte dos produtos comprados online chegam desmontados. Para quem gosta de fazer esse processo de montagem ou tem algum “faz tudo” na manga, não haverá aborrecimentos quando a caixa chegar em casa. Se não for esse o caso, já avalie com um montador quanto sairá para deixar o produto igual ao visualizado antes da compra. Já levei dois dias para montar uma cama infantil sozinha, pois a diária do profissional custava mais que o móvel.

5. Frete e entrega  

Quem nunca caiu no conto do anúncio com preço bom e, na hora de calcular o frete, a mercadoria quase saiu mais barata que a taxa de entrega? Outro ponto a considerar é onde será feita a entrega. Se você morar em apartamento, caso ela não caiba no elevador, a loja pode cobrar uma taxa a partir do terceiro andar de escada. E se não passar pela escada, deverá ser içado, serviço que demanda logística e não costuma ser barato. 

Por último, esta dica também vale para os produtos comprados fisicamente: desembale a entrega o quanto antes e volte a embalar caso ainda não seja o momento de uso (por estar em meio à obra, por exemplo). Nem sempre a armazenagem dos itens em estoque ou o transporte terceirizado são feitos adequadamente. Já deixei para desembalar móveis alguns dias depois da entrega e tive a desagradável surpresa de estarem mofados.

Compra online não pode ser feita por impulso e deve ter critérios para não acabar em frustração (foto: arquivo pessoal)