Depois de alguns dias em casa, vários armários já limpos e arrumados, tranqueiras separadas para doação e ainda sem ter o que fazer para passar o tempo? Que tal, então, exercitar hábitos para descobrir seu estilo  preferido na decoração para tentar implementá-lo quando a quarentena passar (oremos!)?

Anelisa Lopes escreve sempre às terças. Acompanhe alguns de seus projetos e referências no Instagram: @anelisalopes)

Retrô, contemporâneo, clássico… Como descobrir seu estilo de decoração? (foto: arquivo pessoal)

Claro que esta não é uma forma definitiva de chegar ao que te agrada, pois, além do aprendizado contínuo, somos seres mutáveis, cujas preferências mudam com as fases da vida e com o tempo. Mas já é um grande passo para se conhecer e saber do que gosta ou não na sua casa. Até nós, profissionais da área, levamos tempo para decifrar o que nos satisfaz. 

Se ainda não deu tempo de organizar suas roupas e sapatos, já aproveite para fazer o exercício. Coloque tudo do seu armário que te agrada separadamente. Pode ser em cima de uma cama ou mesa. Se quiser montar os looks, melhor ainda. Fotografe e observe todos os detalhes: são peças contemporâneas ou clássicas? Neutras ou coloridas? Cheias de recortes ou básicas? Salto alto ou sapatilha?

Não é preciso se preocupar se perceber que vários estilos fazem sua cabeça. Tente encontrar o elo entre eles. A partir dessa análise – e baseando-se nela – enumere seus elementos preferidos dentro de casa: sofás, móveis, cadeiras, quadros, vasos etc. Fotografe e compare com os looks montados. As imagens conversam entre si? 

Depois desse processo, tente separar objetos com texturas diferentes: vidro, madeira, pedra natural, acrílico… Coloque ao lado das peças escolhidas em casa e dos looks e observe os conjuntos formados. Quais você gosta? A partir daí já dá para ter uma ideia de estilo: moderno, clássico, rústico, provençal, industrial… Chegou a hora, então, de ler mais sobre ele. Buscar referências, salvar fotos, pesquisar sobre arquitetos ou designers com essa linguagem…

Comprar roupas com a nossa cara é muito mais simples que adquirir móveis com a nossa linguagem, mas lembre-se que, assim como acontece com o vestuário, sua decoração também reflete sua personalidade. Eu já decifrei o meu: contemporâneo com pitadas de Luis XV. E você?