Relato de uma viciadaNão era este o texto programado para hoje, mas neste feriado algumas clientes me marcaram no Facebook e outras enviaram mensagens inbox chamando minha atenção para um vídeo que estava circulando na internet com o seguinte título: “Relatos de uma viciada. Queria tanto ser fitness”.

O vídeo começa com uma moça dizendo que quer muito contar um problema que está acontecendo com ela e que acredita que outras pessoas também possam estar com este mesmo problema. Ela acha que está viciada em comida porque pensa nisso o tempo todo, não para de comer e diz que queria muito ser fitness, mas não consegue. Ela conta que treina, mas que não resiste a uma barraca de coxinhas que tem na frente da academia e acaba comendo. Ela também diz, chorando, que come quando está triste, quando está com raiva e quando está feliz. Já fez várias dietas com o acompanhamento de profissionais, mas nada adiantou, porque não se dá bem com as comidas prescritas nas dietas e prefere mesmo a coxinha. Termina dizendo que se sente como se estivesse viciada em drogas e pede dicas e ajuda porque não sabe mais o que fazer.

Não sei se o vídeo é de fato real ou não, mas o que importa é que este assunto é muito sério. O que me chamou a atenção, além do número de visualizações, foi a quantidade de pessoas que se identificaram com a história dela e que deram seu depoimento compartilhando a mesma dor.

São estas pessoas que fazem parte de estudos que apontam que 85% das causas da obesidade são de origem emocional ou comportamental. São estes 85% que sentem esta mesma dor que ela relatou no vídeo, que sofrem por não conseguirem resistir diante da comida e que passam a vida lutando contra a balança.

Sabemos que temos no mercado uma infinidade de tratamentos para um processo de emagrecimento. Temos as nutricionistas, os médicos, os educadores físicos, os tratamentos estéticos, mas eles não tratam a fundo as emoções e os comportamentos inadequados dos 85% da população obesa. E é disso que essas pessoas precisam. Não há reeducação alimentar sem a reeducação emocional.

O caso é tão sério que, se não fizermos nada, daqui a 10 anos estaremos com aproximadamente 2,5 bilhões entre obesos e pessoas em excesso de peso no mundo.

Eu trouxe este assunto a vocês para que fiquem atentos, parem de lutar contra a necessidade de olhar para dentro de vocês mesmos, quebrem todas as resistências e permitam se conhecer. Para emagrecer de forma efetiva e duradoura você precisa entrar em contato com você, entender seus valores, o que te faz comer e o que você ganha com isso. Conhecer quais foram os aprendizados que você teve lá trás, na infância, e que repete até hoje e que com certeza te fazem engordar.

Só para ilustrar o que estou falando, lembrei de um caso que atendo. Essa cliente dizia que o que atrapalhava a sua dieta era a vontade de comer doces, e que recorria a uma barra de chocolate sempre que sentia essas vontades. De onde vem essa vontade? Por que essa repetição de comportamento todos os dias? Ela lembrou que quando era criança, todas as semanas, ganhava uma barra de chocolate dos seus avós. Era uma forma de carinho deles com ela. Este foi o aprendizado: “Eu ganho esta barra de chocolate como forma de carinho”. Ela passou a fazer isto com ela mesma, à medida que foi crescendo, sempre que precisava de carinho e, principalmente, depois que eles faleceram. Todas as vezes que seu marido viajava também pedia uma barra de chocolate e ele trazia. Ela percebeu que também dava de presente barra de chocolate para as pessoas que amava. E, por fim, identificou que repete este mesmo comportamento com a filha mais velha: uma vez por semana leva uma barra de chocolate para ela. Esta repetição que ela tem na fase adulta é o reflexo de um aprendizado que teve na infância. Isto é muito comum de acontecer, mas não percebemos.

Este foi só um exemplo para facilitar o entendimento da importância de se permitir se conhecer. Você precisa descobrir quem é de fato para ter sua Mente Magra e entender porque engorda e não consegue emagrecer.

Abraço.
Andrea Romão
Coach de Emagrecimento