foto: Pixabay

 

Tem dias que a gente só quer falar de coisas menores. Mas que não são menores nada, na verdade. Afinal, desde quando receber ou oferecer ajuda é coisa pequena? E quando essa ajuda vai promover bem estar, alegria, conexão, gratidão? Quando vai promover relações…

 

Hoje é feriado da Independência, mas eu estou de plantão. Meu marido está fora de São Paulo a trabalho por, pelo menos, mais um mês. Primeiro pensamento: o que fazer com as crianças, sem aula, então? Se não fosse a ajuda preciosa da minha tia querida, a única que mora em SP, eu teria de escalar a minha funcionária para segurar as pontas em casa. Mas, graças à tia Beth, Marilene vai poder passar mais tempo com a família, meus filhos vão ficar felizes com ela e eu vou trabalhar com o coração em paz.

 

Se a vida com ajuda já é difícil, imagine sem. Quem tem filhos que o diga. Depois que fui mãe, vivi oito anos em São Paulo sem ter ninguém da família com quem contar. Bom, pra não ser injusta, a minha enteada ficou algumas vezes, pra gente ir a algum compromisso muito especial. Mas ela é jovem, tem milhares de programas. Não faz sentido pedir.

 

Até por falta desse amparo, nunca deu pra fazer aquela viagem a dois, pra cuidar só do casamento, como muita gente consegue.

Ninguém morre por causa disso, claro. Mas que deve fazer um bem danado, ah, isso deve.

 

Como milhares de casais pelo mundo afora, abrimos mão de compromissos e de festas por não ter com quem contar. Babá pode ser incrível, mas por aqui a gente nunca conseguiu pensar sempre nessa alterativa. Muitas vezes, simplesmente não tínhamos alguém em quem pudéssemos confiar. Noutras, não tinha dinheiro sobrando pra pagar. Ou, dependendo da situação, na ausência de família (de sangue ou da vida), sempre preferimos estar com eles.

 

Agora, com a tia Beth, estou experimentando uma felicidade que não acaba mais. Porque ela se prontifica, está junto, ajuda. Independência para tudo na vida é bom. Mas, quando os filhos são pequenos, não tem nada melhor do que ter alguém que ama com quem contar.

 

Vou lá dar o meu plantão e, assim que acabar, volto correndo pra encontrar duas crianças que, com certeza, estarão felizes. Como eu.

Bom feriadão, gente!

 

* Hoje tem video. Porque ter ajuda faz a gente se sentir amparado, é bom para as relações e faz um bem danado tanto pra quem dá, quanto pra quem recebe. Bora estimular!?

Assista e venha pro Mãe Sem Receita também no FB e no Instagram – @primaesemreceita. Vem!