Foto: internet

 

UPTADE, pós jogo do Brasil: #TamoJunto #AtéQuaseNaÚlcera. Que sufoco! Mas ainda bem que passou, porque para os nossos hermanos, a situação tá péssima.

É, os argentinos vão até pedir para o Papa batizar o Messi. No cristianismo, claro. Pra ver se resolve. Rá!

Recebi essa tirada de uma amiga mexicana, no grupo de Whatsapp que só tem latinos. A única argentina da turma ficou brava no início mas, depois, disse que “ninguém é melhor do que os próprios argentinos para rirem de si mesmos. E que, apesar da lástima, os memes circulando por lá são ótimos”. Coitados.

 

Mas essa do Papa foi boa, vamos combinar. Porque aquele cristão Cristiano, o Ronaldo, deixou todo mundo boquiaberto, já no primeiro jogo. Meu filho aqui em casa já aprendeu direitinho a imitar o jeitão dele na hora de cobrar as faltas: pega a bola, dá duas cavadas no chão com a chuteira para ajeitar, posiciona a bola, dá três passos pra trás, abre a perna pro lado, dobra a ponta do calção, respira fundo e… vai. Rs.

 

Gente metódica é outra história.

 

Voltando aos memes, tô pensando: que os nossos tenham sido apenas os do cabelo e dos tombos do Neymar e que a gente não tenha de rir (mais) de nós mesmos. Medo!!!

 

Bem que o Papa podia aproveitar o embalo e intermediar um acordo com os anjos por nós, vizinhos que torcemos tanto pela Argentina no jogo contra a Croácia. E não venha me dizer que você torceu contra, porque “lembra do que eles fizeram conosco aqui no Brasil?”

 

Eu tenho dó. Mas, mudando de assunto…

 

NEYMAR PRECISA DEIXAR DE SER JUNIOR

Frase conselho na charge do Adão Iturrusgarai para o Brasil se sair bem nessa copa. Arrasou, com o desenho do topete e o texto. Melhor que o meme do Messi x Papa.

 

Quando vi a charge, pensei nos psicanalistas. Dizem que um Júnior nunca deixa de ser Júnior. Já pensou? E tem um tanto de desavisado que quer se auto prestigiar colocando o mesmo nome no filho. Vai lá e ainda arremata com um Jr.

 

Melhor não arriscar!

Update 2: Neymar cortou o topete e deu duro contra a Costa Rica. Comemorei demais o gol porque ele, mais que ninguém,  precisava desse alívio.

 

MACHISTAS NÃO PASSARÃO

 

Sinceramente, de tudo que já virou notícia nessa Copa, nada pode ser pior do que a decepção de uma mãe ao ver o filho participando de um vídeo de assediadores boçais, ridicularizando uma mulher russa. “Ninguém cria um filho pra dar nisso”, escreveu no Instagram a apresentadora Astrid Fontenelle, que deu uma entrevista linda aqui para o Mãe Sem Receita, ano passado.

 

Já pensou nas mães dessas criaturas? Que vergonha.

 

“Foi brincadeira de muito mal gosto”, disse um deles. Quem, em 2018, ainda acha que pode brincar com coisa séria dessas? É crime. Na reportagem que li, o mesmo cara dizia ainda que “entrou de gaiato na história”. Sei, foi sem querer. Mas com a maior cara boa, achando que ia arrasar nas redes sociais. Certeza.

 

Gente imbecil é outra história.

 

Mas, agora, além de terem sido desmoralizados e, alguns até perdido emprego, devem responder lá na Rússia por “insulto à honra e à dignidade”, como alertou a jurista russa Alena Popova.

 

Aqui em casa, ensinamos, desde sempre, o que é certo e errado e a não se meterem em confusão. “Não fez nada, mas tá no meio, sem tentar impedir? Já tá ferrado!”. Dá trabalho, claro, o caminho para aprender direitinho pode ser longo. Mas quando tem convergência, a chance de dar resultado rapidamente é bem maior. Difícil é quando a mãe reconhece o problema e o pai não. Ou vice-versa (menos provável). Quando um morde e o outro assopra.

 

Aí, quando cresce, vira falta gravíssima, pior que pênalti. E não precisa de VAR para reconhecer, viu. Mas tem gente que nunca se dá conta. Nesses casos, nem o Papa dá jeito.

 

* O vídeo de hoje, curtinho, é uma reflexão sobre educação. Porque nem sempre o tal do “mal educado” é empregado corretamente. Pode ser até injusto. Diga aí.

 

Vem pro Mãe Sem Receita também no Facebook e no Instagram @maesemreceita. Vem!