Desde muito cedo começamos a sonhar com o que seremos ser quando chegarmos à vida adulta, vamos entrando em contato com o desejo de sermos alguém que faça a diferença no mundo e, ao mesmo tempo, nos proporcione alegria.

No decorrer do nosso desenvolvimento vamos entendendo o trabalho que os nossos pais desempenham, observamos a atuação de profissionais de diversas áreas e aos poucos vamos ampliando o nosso campo de vivências e percepção dos papéis que são importantes em nossa sociedade.

Muitas vezes acabamos seguindo uma profissão que foi imposta pelos pais, por exemplo, assumir um cargo dentro do negócio da família, ou se formar em uma área que eles colocaram como ideal, ou mesmo na pressão de sair do ensino médio e prestar um vestibular optamos por um curso qualquer sem realmente sabermos se é uma área que trará satisfação.

E pode ser que por anos você fique feliz ou bem adaptado com a sua escolha profissional, mas em algum momento algo começa a gritar dentro de você e a insatisfação aumenta, a impressão de que falta algo, a preguiça ao sair para trabalhar todas as manhãs, e assim algo começa a incomodar profundamente.

Quantas histórias vemos de pessoas que eram bem-sucedidas em suas carreiras e de repente do nada largam tudo e mudam radicalmente de profissão? Posso citar um médico que largou a profissão para fazer marmitinhas saudáveis, um amigo advogado que foi trabalhar com turismo, e assim são muitas as experiências que tenho tido a oportunidade de presenciar.

Quando conversamos com essas pessoas elas nos relatam que foram percebendo que se sentiam desencaixadas, e quando decidiram largar tudo e fazer a transição, muitas vezes até ganhando menos, sentiram-se preenchidas e felizes. Uma questão muito importante é aliar a profissão a algo que também sente que irá beneficiar o outro, proporcionando bem-estar e alegria.

Esse aspecto é pouco explorado em nossa sociedade, realizar um trabalho que esteja alinhado com o desejo do coração, o sentir-se útil e integrado com o todo. Talvez isso não faça sentido para você pois muitas vezes o foco está na segurança financeira, no sustento e está tudo bem, cada um seguindo a verdade que faz sentido para si mesmo.

Já ouvi relatos de pessoas que passam a vida na mesma função porque seu objetivo maior é ter segurança, e se olharmos para o passado desta pessoa e suas aprendizagens isso faz todo sentido. Toda escolha deve estar bem alinhada com o que a pessoa necessita, mas esteja atento para o serviço não se tornar mecânico, enfadonho, promovendo mau humor, estresse e infelicidade.

Quando vivemos o propósito de nossas vidas nos sentimos alinhados com algo maior, uma sensação de encaixe, o nosso trabalho flui, encaramos os desafios com um olhar mais amoroso, acolhedor, mesmo cientes de que nem sempre os dias serão os mais belos, mas há uma satisfação interior que nos permite seguir firmes e confiantes.

A realização do nosso propósito de vida quando alinhada ao propósito do outro abre o caminho para a prosperidade e abundância em vários sentidos, o amor sempre se fazendo presente, pois, meus amigos, se existe algo poderoso no mundo é o amor, ele é capaz de mudar tudo, quem sabe um dia estejamos mais preparados a viver esse sentimento em sua totalidade.