Talvez um dos maiores desafios que enfrentamos é deixarmos ir embora o que não nos serve mais. O desapego e o amor incondicional são formas de encarar os fatos da vida dos quais o ser humano não aprendeu a lidar.

A vida é uma grande roda que gira o tempo todo nos trazendo de forma bem concreta a falta de controle sobre  qualquer coisa, pessoa ou situação. Um dia podemos estar no topo, no dia seguinte no chão. Podemos acordar ao lado de alguém que amamos e no minuto seguinte essa pessoa pode simplesmente nos deixar.

Nós nos relacionamos com o outro de forma a buscar a estabilidade afetiva, exigindo uma reciprocidade que nem sempre é possível. Vivemos um momento de descomprometimento, cada um voltado para si mesmo, suas dores, seus sonhos, não há muito espaço para viver de forma inteira com o outro.

O amor dos contos de fada que nunca existiu frustra milhares de pessoas que anseiam em se casar, ter filhos e ter um companheiro que possa sentir segurança, amor, confiança, que possam dar risadas juntos e se segurarem um no outro nas dificuldades.

Muitos não casam, outros se unem e ficam acorrentados a uma situação de infelicidade, outros demoram anos e passam uma vida inteira ao lado de quem não os fazem sentir felizes. O apego, o medo do novo, dificulta essa ruptura que pode ser o caminho de uma vida mais satisfatória, uma oportunidade de recomeçar.

É sempre muito importante entender o que te prende ao outro, a uma situação que não traz alegria e onde você não encontra a reciprocidade. O que dentro de você te mantém ligada a esse relacionamento, o que te impede de se soltar?

Sabemos que há diversas crenças atuantes, modelo de família e desejos inconscientes que funcionam como travas, não conseguimos mudar ou encerrar ciclos, mesmo estando infelizes. O importante é trabalhar dentro de si mesmo o desapego, independente da situação que se vive.

Soltar e deixar ir o que não nos serve mais é um ato de amor. Liberar para que ambas as partes possam iniciar um novo ciclo, muito mais feliz. Olhe para os seus apegos, entenda o que te prende e busque ressignificar essas crenças.

Todos nós temos a possibilidade de recomeçar, de se dar conta sozinho, então comece a soltar e permita que tudo vá fluindo e se encaixando nesse novo caminho escolhido.

Afinal, ser feliz é uma condição que nós nos proporcionamos e essa é a nossa responsabilidade, assumirmos nosso próprio caminho e deixar para trás o que não nos serve mais.