Como é difícil entender que a prática do silêncio é um caminho para a cura de muitas de nossas dores, até porque parece algo simples e temos um funcionamento mental que nos induz a confiar e buscar metodologias complexas e caras para resolução de conflitos.

Mas, afinal, que história é essa de ficar na presença? Que ganho eu vou ter em silenciar a mente? Primeiro é preciso desmistificar a ideia de que é possível silenciar a mente por completo, somente pessoas com anos de prática podem chegar perto de se sentirem livres dos pensamentos, mas podemos sim ir caminhando na direção de buscar acalmar o fluxo excessivo que invade a nossa mente  a cada minuto.

A prática da meditação é simples, requer de nós a disciplina de praticar todos os dias ou pelo menos alguns dias da semana. Os pensamentos irão chegar o tempo todo, vamos percebendo o quanto acabamos sendo influenciados por situações, crenças, sentimentos e lembranças que acabam se tornando um problema quando na verdade, na grande maioria das vezes, são frutos de pensamentos disfuncionais.

O silenciar da mente favorece que o espaço entre um pensamento e outro vá aumentando gradativamente o que leva a experimentarmos uma sensação de tranquilidade, de bem-estar, diminuindo a ansiedade de forma absurda e permitindo que possamos olhar com mais assertividade para tudo o que acontece em sua vida.

Quando nos mantemos na presença desenvolvemos uma maior capacidade de avaliar nossa vida, nos livramos dos pesos que a mente excessivamente compulsiva proporciona. Aprendemos a nos permitir ter calma e escolher a melhor forma de agir nas situações que estamos vivenciando. A clareza na tomada de decisões, comportamentos mais equilibrados, menos reativos, frutos de uma mente mais calma.

Ficar na presença é uma possibilidade real, não demanda nada mais do que disposição para tentar fazer algo diferente. Então o que está esperando? Experimente e me conte depois como foi para você.