Já é tarde, de repente me vejo pensando em como tenho conduzido a minha vida. Será que estou conseguindo escrever a minha história como eu gostaria? Ou aproveitar esse tempo?

Falar sobre a vida, sobre as expectativas que criamos pode ser um grande desafio, afinal o que é importante? Muitas vezes imaginamos que sabemos a resposta, mas pode ser que ainda não estejamos preparados para compreender o quanto é complexa essa nossa jornada.

Quando voltamos no tempo conseguimos identificar momentos felizes, outras vezes conseguimos identificar relacionamentos imaturos, estresse com discussões familiares ou mesmo ficamos olhando mais para fora, para o outro, do que para nós mesmos.

Não temos como fugir de certas experiências, faz parte irmos completando aos poucos as páginas em branco de nosso livro. A questão são as escolhas que fazemos, o que optamos por viver. Por medo deixamos de experimentar viver com intensidade, ficamos amarrados ao conceito de dor, do receio de cair e se machucar. Outras vezes o foco é a segurança, melhor mais do mesmo do que a ousadia do novo.

A comodidade também pode ser um grande desafio, o quanto se quer mudar, experimentar, pois o conhecido sempre é mais seguro, mesmo que este não lhe traga alegrias. Parece louco, mas é o que vemos por aí, pessoas que vivem dentro de suas bolhas e que acreditam estar seguras. Eu te pergunto, será?

A impermanência é a marca registrada, por onde olharmos nos deparamos com essa realidade. Dia e noite, frio e calor, morte e vida. Os ciclos são constantes e nos agarramos a uma crença insana de que podemos controlar tudo, até o que sentimos. Nós nos agarramos à falsa ideia de que se ficarmos engessados, frios e na mesmice teremos algum controle. Pura ilusão.

A vida chega com muitas surpresas, muitas delas extremamente desagradáveis. Não há como colocar em prática um plano de fuga, teremos que encarar a realidade. Restá-nos viver com intensidade, cada minuto como se fosse o último. Para que guardar amor, carinho, gentilezas?

É importante entender que se abrir para o amor nos permite viver com mais integridade, mais verdade, sem jogos, sem tramas para controlar os sentimentos. Você se abre para viver, independente do resultado das experiências, tudo é aprendizagem, tudo é vida.

Escrever no livro da vida é uma escolha, se você vai escolher esse caminho eu não sei, mas sei que eu vivo intensamente o meu.