Sabemos que comer pode ser uma grande fonte de prazer para muitas pessoas, afinal nascemos e já mamamos em nossas mães, o alimento chega para trazer nutrição e conforto.

Durante o nosso desenvolvimento vamos aprendendo a comer vários alimentos e conhecendo uma série de novos sabores, sendo que uns nos agradarão mais que outros.

Em reuniões familiares a comida surge como o prato principal, seja um almoço de domingo, um aniversário ou até mesmo um carinho, afinal comer nos nutre de diversas maneiras.

Mas em algum momento pode ser que comer se torne um grande problema, em que se perde o controle da quantidade de comida a ser ingerida, levando a um grande desconforto físico e emocional. Os excessos alimentares levam ao ganho de peso na grande maioria das vezes, gerando um descontentamento, tristeza e um novo ciclo de compulsão alimentar.

Segundo o DSM IV (Manual Diagnóstico e Estatístico da Associação Americana de Psiquiatria), o Transtorno de Compulsão Alimentar Periódica se caracteriza por uma verdadeira farra alimentar em que não existe um controle do que se ingere onde na sequência existe a presença de sentimentos de culpa e autorreprovação muito acentuadas. Esse transtorno se caracteriza por episódios recorrentes de compulsão alimentar sem que ocorra nenhum comportamento de compensação para evitar o ganho de peso.

Desta forma se faz necessário identificar se essas perdas de controle alimentar vêm ocorrendo mais de duas vezes na semana, o que indica a necessidade de um cuidado mais especializado para o devido tratamento.

Os resultados de pacientes que se tratam com profissionais da área de psicologia e a hipnose têm sido bem interessantes, pois o foco é identificar os gatilhos emocionais que geram essa perda de controle, isto é, que lugar que a comida vem ocupar na vida de uma pessoa. Muitas vezes a solidão, a tristeza, a raiva, a insatisfação, a ansiedade, o casamento ruim, a baixa autoestima podem ser geradores dessa necessidade excessiva de comer até se empanturrar.

Assim como a terapia, a hipnose conta com técnicas que fortalecem o paciente e o ajuda nesse trabalho de mudança de comportamento em relação à alimentação, assim como leva a estruturação emocional. Desta forma devemos lembrar que todos nós podemos em algum momento abusar um pouco de algum alimento que gostamos muito, então não se preocupe.

Mas se você perceber que vem sendo recorrente, tem comido e passado mal, se sentindo estufado, sempre repetindo ou comendo algo até não aguentar mais, aí sim é o momento de rever seu comportamento alimentar e buscar ajuda especializada.