O amor nem sempre é simples, nos foi passado através das histórias infantis que o final sempre é feliz, o príncipe e a princesa sempre terminam juntos. Um encontro de almas onde tudo é mágico, leve e tranquilo. É assim que o amor devia ser sempre, como um modelo chave e fechadura, onde o encaixe fosse perfeito e não houvesse nenhuma interferência ou desarmonia.

Durante a vida tem quem tenha vivido somente um amor, tem quem tenha conhecido vários, cada um construindo uma história que envolve sentimentos, entrega, cumplicidade e companheirismo. Seria perfeito se pudéssemos sair ilesos de todos eles, mas na nossa cultura, a forma como vemos e vivemos determina muito de nossas ações e expectativas em relação ao que esperamos de um relacionamento.

Nesse caminho que vamos percorrendo podemos esbarrar no grande amor de nossa vida, aquele que te toca no fundo da alma, em que encontra segurança, leveza e uma profunda sensação de paz. Muitos são felizes e conseguem seguir em frente com as diferenças que vão surgindo, vão se fortalecendo e encontrando novas formas de seguirem juntos.

Mas nem sempre os parceiros estão dispostos a olhar e rever comportamentos quando começam a surgir as diferenças. Um sempre acaba se impondo, mesmo na aparente liberdade, a sua forma de pensar. Faz valer os seus desejos na grande maioria das vezes, e o outro por amor acaba cedendo, muitas vezes sem a consciência de quanto se anular pode resultar em um final danoso para o relacionamento.

Até que chega um momento em que algo desperta e nos damos conta de que, apesar de amar o outro, não estamos felizes. Tentamos negociar, mostramos outros caminhos, mas o desejo de mudar e fazer dar certo precisam estar presentes em ambos os parceiros, caso contrário, nada irá mudar.

É nesse momento que percebemos que não podemos desejar pelo parceiro, que ou ficamos e aceitamos o que não nos faz feliz, ou saímos da relação. O amor é importante, mas ele sozinho não é base para um relacionamento dar certo, é preciso muito mais. Ambos devem estar comprometimentos em fazer algo para reparar as arestas que surgem. Cada um precisa olhar para si mesmo e para o outro e estar disposto a negociar, a experimentar fazer diferente.

E quando não há mais possibilidade de caminhar juntos, deixar a si mesmo e o outro livre para construir outra história também é um ato de amor. E é nesse momento que decidimos ir em frente, olhando para os nossos desejos. Apesar de estarmos com a alma partida, sabemos que estamos seguindo o caminho mais assertivo, que ficar só iria destruir o que foi construído com muito amor.

Muitas vezes encontramos outro parceiro nessa caminhada, outras vezes sabemos e sentimos que o grande amor de nossa vida já foi vivido. O sentimento permanece, sua essência está lá, pulsando dentro de seu coração. Nesse momento acolhemos o sentimento e a história dentro de nós mesmos, deixando que a vida nos ofereça outras formas de sermos felizes.