Quando pensamos em família logo lembramos da imagem de crianças correndo no jardim, ou mesmo construindo castelos de areia na praia, concorda? Mesmo sabendo que atualmente essa configuração mudou muito ainda conhecemos muitos casais que optam por ter mais de um filho, e quando isso acontece a realidade mostra que manter a harmonia entre os irmãos é um grande desafio.

A diferença de idade entre eles pode sim impactar no laço entre irmãos, tudo vai depender do quanto os pais estão preparados para dar conta, por exemplo, de filhos com idades muito próximas. Ao mesmo tempo que acreditam ser bom crescerem juntos, pode ser um grande desafio lidar com duas ou mais crianças pequenas que precisam de muita atenção e afeto.

Mesmo crescendo com o mesmo estilo de educação, um filho sempre será diferente do outro, portanto um sempre será mais calmo, o outro mais arteiro, um mais carinhoso, o outro mais esquivo, e é nessa hora que sem pensar muitos pais acabam desenvolvendo preferências. E é nesse momento que tudo começa a fugir do controle, pais cansados que não conseguem dar conta das diversas demandas que os filhos exigem, acabam privilegiando o mais bonzinho, o melhor aluno, o mais habilidoso ou o mais prestativo. A rixa começa aqui, e agora?

É fundamental que os pais estejam atentos às diferenças de personalidade de seus filhos, cada um terá qualidades e defeitos como todo ser humano, isso não serve como crivo para defender mais um e deixar o outro de escanteio, o correto é auxiliar cada filho em suas necessidades. Lembrando que comparar um filho com o outro não é uma boa ideia, um pode ser ótimo em matemática e ruim em português, enquanto outro filho é ótimo em música e tem mais habilidades artísticas, e está tudo bem. Filhos não são troféus, são seres humanos e deve ser respeitados em suas diferenças.

Outro aspecto importante é dar a cada filho a mesma atenção e respeito, esse é um ponto que faz uma grande diferença e eu percebo que isso nem sempre acontece, principalmente quando mesmo de forma inconsciente estabelecemos preferências. Esse comportamento causa uma imensa fenda no relacionamento entre irmãos, afinal uma criança consegue sentir e identificar quando é mais ou menos amada e acolhida por seus pais.

Enganam-se os pais que invalidam os sentimentos e as percepções de seus filhos, eles são como antenas que captam tudo o que acontece ao seu redor com muita intensidade, mesmo os comportamentos que aparentemente aos olhos dos pais são discretos. Por isso muita atenção, principalmente quando a história de vida dos pais já traz na bagagem traumas e dores na época de infância, pois na tentativa de não entrarem em contato com as dores de sua criança ferida, acabam não conseguindo lidar com situações que se assemelham às suas próprias experiências na infância.

Pode parecer bobeira, mas garanto que não é, ler sobre relacionamento entre irmãos, estudar o assunto antes de construir uma família é muito importante. Nós adultos também erramos e muito, e muitas vezes não temos grandes habilidades nesse manejo a não ser que seja a nossa área de trabalho, portanto, leia, estude, busque ajuda, se prepare. Afinal ser pai e mãe também é um trabalho que assumimos e que demanda uma enorme responsabilidade que vai além de beijinhos e fotos para postar nas redes sociais, essa função exige comprometimento de corpo e alma, e então você está preparado?