compulsão-alimentar

Na fila do cinema o olho já fica atento e a barriga já dá o comando: pipoca grande com manteiga, uma Coca e alguns outros docinhos para comer durante o filme. A vontade de comer e de se sentir preenchido é tão forte que nem há espaço para tentar identificar se está com essa fome toda ou somente um desejo incontrolável de comer.

Fome? A grande maioria das pessoas que busca atendimento na clínica nem sabe o que significa. Há anos vem comendo descontroladamente e não dão tempo da dita fome dar as caras. Relatam que ao saírem do trabalho passam pelo mercado, posto de gasolina, da panificadora e vão pedindo um pouco de tudo o que salta aos olhos e enchendo o cestinho. No caminho de casa raramente sobra algo para dividir com alguém, a comida toda já está espremida dentro do estômago, nem foi triturada direito, já desceu empurrada pela urgência de se sentir cheio.

O medo de não poder comer o que se gosta virou um verdadeiro terrorismo, não pode comer isso, não pode comer aquilo. Carboidrato só se for raiz, nada de refinado. Chocolate então, só se for 70%, aí se não aguentar e quiser experimentar um pedaço do chocolate ao leite, sente-se como se tivesse afrontando a ditadura das dietas. Se sente má porque está fazendo algo errado.

Essa culpa misturada com o desejo de comer, com a ansiedade de querer ser magra, vira uma bomba-relógio. A compulsão explode e a sensação de perda de controle promove um buraco ainda maior na autoestima. Os pensamentos são os piores: “Não tenho força de vontade.”, “Sou um lixo mesmo.”, “Não faço nada certo.”.

Dessa forma fica claro o caos que se tornou essa busca pelo corpo ideal, as expectativas são altíssimas, mas a realidade é outra. Cada um tem um formato de corpo, uma história com a comida, um estilo de vida, entre outros aspectos que interferem na questão peso. Cada pessoa precisa encontrar o ponto de equilíbrio, o peso possível de ser alcançado, com saúde acima de tudo.

Não coloque comida tralha dentro da boca, mas também não precisa deixar de comer o que se gosta. Busque o equilíbrio, comer com qualidade, substituir ingredientes, ousar na cozinha se divertindo enquanto prepara sua comida e lanches. Não gosta de cozinhar? Você pode se surpreender com o que pode fazer por você mesmo, acredite.