Você já sentiu uma sensação de desencaixe, de não pertencer a sua família ou a um grupo? Tenho encontrado muitas pessoas que falam sobre esse sentimento, como se tudo ao redor não fizesse sentido.

Quando estão em uma reunião de família ou grupo de amigos as brincadeiras e os assuntos não encaixam, o sentimento é o de ser o estranho no ninho. Não acha graça nas piadas, não sentem o mesmo interesse nos assuntos em pauta e na maioria das vezes não conseguem sentir afinidade afetiva com o círculo de pessoas à sua volta.

Os anos passam e essa sensação vai ficando gritante, essas pessoas sempre acabam sendo alvo de alguma brincadeirinha, tipo ser o E.T. da turma, o esquisito da família.

A grande questão é que talvez nunca encontrem pessoas que acompanhem sua forma de sentir e circular pelo mundo, e vão seguindo a vida sentindo uma grande insatisfação interior, um não caber em nenhum lugar.

Somos seres muito complexos, cada um traz nas costas uma malinha repleta de experiências, algumas tristes, outras felizes, mas que dão um toque marcante no desenrolar dos anos em sua vida. Todas essas situações somadas a esse desencaixe ficam ainda piores, potencializam a dor e a tristeza.

Muitas vezes o caminho é repensar a vida como um todo; algumas questões podem ser cruciais e determinar um futuro mais confortável, emocionalmente falando.

  • Em que situações você se sente desconfortável?
  • O que a sua família diz sobre essa sua forma de ser?
  • Os amigos devem comentar algo mesmo brincando, apontando as diferenças. Faça uma lista e reflita como você encara e sente essas questões.

Após refletir sobre alguns aspectos que as questões acima levantam talvez você possa identificar qual o papel que você desempenha na vida, pois na grande maioria das vezes nos adaptamos e seguimos tentando ser quem não somos na essência. Isso ocorre porque tentamos nos encaixar da forma mais confortável dentro do contexto que vivemos, mesmo que para isso passemos a assumir um personagem que não corresponde a nossa forma real de ser.

Talvez você já tenha identificado isso em, mas quem sabe ainda não, o importante é que cada um no seu processo pessoal possa entender como funciona, o que precisa fazer de diferente para se sentir feliz e encontrar pessoas das quais poderá ser espontâneo e autêntico. A sensação de pertencimento é o caminho mais assertivo, se você não se sente pertencendo e acolhido, sinal que algo precisa ser olhado, acolhido e assim buscar o que faça sentido.