Sabemos que comer nos proporciona um grande prazer e acredito que todos nós temos lembranças relacionadas à comida desde que éramos pequenos, desde o bolo da vovó, à polenta da tia e até o pão da mamãe. A comida tem a função de nos nutrir, nos fornece tudo o que precisamos para nos desenvolver com saúde, porém nem tudo o que queremos comer é saudável, e aí podemos enfrentar alguns problemas.

Muitos alimentos são preparados com bons ingredientes, outros já estão recheados de produtos engordativos que fazem mal à saúde e que levam as pessoas a quererem comer cada vez mais. Parece que não sacia comer um pedaço, queremos outro e assim vamos exagerando na quantidade consumida.

Quando começamos a repetir várias vezes, independente do alimento que se tem disponível, aí começa a se tornar uma preocupação. Agora o alimento nem precisa ser gostoso, a maior parte das vezes o indivíduo compulsivo só precisa comer muito, até se sentir empanturrado. Uma necessidade de se sentir cheio, uma forma se conseguir alcançar o conforto mesmo que seja temporariamente.

Cada pessoa tem uma relação muito pessoal com a comida, é importante compreender o seu universo, suas crenças e hábitos que foram se desenvolvendo durante a vida. Outras vezes a comida passa a ter um maior valor a partir de um luto, uma decepção, um problema financeiro, momentos de ansiedade, etc. São muitos os relatos que ouço em consultório, a questão é que comer excessivamente não será a saída para o desconforto ou a dor que o incomoda, só irá piorar a situação e a saúde.

Atualmente podemos contar com a hipnose como aliado ao tratamento da compulsão alimentar, sempre associado às sessões de terapia. As sessões são semanais, o intuito é reforçar a cada sessão mudanças de comportamento que visem levar a pessoa ao equilíbrio alimentar. Durante o tratamento é importante que o paciente se entregue ao trabalho, esteja realmente aberto para que alcance resultados.

Os pacientes quando estão  hipnotizados permanecem acordados, mantêm a percepção consciente de quem são e de onde estão, normalmente se lembrando do ocorrido após o processo. A diferença é que durante a indução o paciente fica mais focado, vai se desligando das percepções externas e abrindo caminho para uma grande atividade interna da mente.

Desta forma vamos trabalhando com o paciente para que ele mude os hábitos em relação à sua alimentação, aprenda a conduzir seus problemas emocionais de forma mais assertiva, sem utilizar a comida como conforto.

Cada pessoa reage de uma forma as sessões de hipnose, sendo  que as técnicas devem ser adaptadas e na maioria das vezes criadas de acordo com o que o paciente traz em sessão. Não existe um tratamento único e eficaz, o que sabemos até o momento é que a terapia, a hipnose e o tratamento medicamentoso têm mostrado excelentes resultados.