Percebo que os excessos alimentares é visto por nossa sociedade como algo inofensivo, principalmente porque comida a princípio proporciona vida, isto é,  nos fornece combustível para mantermos a energia e a vitalidade. Talvez por isso algumas pessoas comecem a abusar e não se preocupem, até que o corpo comece a gritar por socorro.

A obesidade é consequência de vários fatores e uma delas é o nosso emocional que pode se manifestar com a gula, a compulsão. Esses  comportamentos alimentares desequilibrados são sinais de que algo não está bem em sua vida. Você já parou para avaliar o que está acontecendo? Comer é muito prazeroso e quando temos aspectos de nossa vida que não estão bem, podemos facilmente substituir esses desconfortos pela comida. Essa semana uma paciente me disse estar tão nervosa com um compromisso que teria no dia seguinte, que comeu exageradamente até passar a angústia. Ao perguntar qual foi o benefício que teve, a mesma diz que por alguns momentos deixou de pensar no que a estava afligindo.

Podemos usar vários amortecedores para diminuir a angústia que sentimos, como a bebida alcoólica, a comida, o sexo excessivo, jogos de azar, até drogas mais pesadas. Tudo irá depender do quanto é difícil lidar com a realidade, as dores e os obstáculos que a vida vem apresentando. O que gera e mantém o vício é a inabilidade em lidar com os sentimentos, com as dores que carrega dentro de si e que ainda não foram resolvidas.

A autoinvestigação irá te ajudar a se  libertar e abrir as portas para um encontro com o eu real, com o que ficou lá atrás em sua história precisando de perdão, de acolhimento. Talvez agora fique mais claro a função da gula em sua vida, que dores você vem tentado aplacar, que lembranças te corroem por dentro e causam desconforto, ou até situações pontuais, mas que de alguma forma tem relação a vivências do passado.

A gula é somente um pedacinho de algo muito grande a ser resolvido, ela mostra que algo não está bem, e você pode ignorar, mas seu corpo irá começar a gritar por socorro, aumentando o peso, doendo as articulações, a pressão subindo. Dessa forma, ou você olha para as suas dores ou o corpo se transforma para tentar resolver por você.