Feminismo é uma das causas mais comuns em campanhas publicitárias Foto: Tamara Bellis/ Unsplash

“O propósito é o novo estilo de vida.” A afirmação do escritor André Carvalhal sobre os novos tempos do mercado de moda reflete bastante o surgimento de cada vez mais marcas que se estruturam em torno de causas sociais. Mas nem sempre essa estratégia, que até pode ter boas intenções, dá certo. Recentemente, as redes sociais deram visibilidade para a denúncia de funcionários da loja Três sobre racismo, gordofobia e assédio moral. O caso mostra a importância de se pensar o tema que é tratado constantemente pelo autor dos livros Moda com Propósito e A Moda imita a vida. André Carvalhal é um dos palestrantes do 6º Seminário Internacional de Consultores de Imagem, que ocorre neste sábado, 8, em São Paulo.

“As marcas buscavam criar um lifestyle para se aproximar dos consumidores. Hoje uma evolução desse pensamento é o propósito da marca, se relacionar a uma causa, missão ou valor.”

Movimentos que empoderam grupos que estiveram à margem da sociedade, como o feminismo ou LGBTQI, ou que defendem o meio ambiente, destaque para a proteção dos oceanos, são os que mais recebem atenção atualmente.

No entanto, o consumidor precisa ficar atento para não apoiar ou consumir de uma empresa que usa essas causas apenas como ‘fachada’. “ O importante é as pessoas buscarem a coerência nas marcas. Esse é um dos principais caminhos para identificar se o que está sendo comunicado é verdade”, diz Carvalhal.

 

Saiba como identificar se uma marca, realmente, se envolve com a causa:

Marcas estão apoiando causas para se aproximar do consumidor Foto: Modern Essentials/ Unsplash

Vá além da campanha de marketing

Busque conhecer quais são as práticas para diminuir o impacto ambiental das lojas, escritórios e fábrica.

 

Conheça a história dos fundadores

Procure saber se as pessoas que criaram a empresa têm um propósito relacionado à causa que a marca defende.

 

Quem são os líderes da empresa

Se uma marca afirma ser feminista, informe-se sobre quantas mulheres estão em cargos de chefia. O mesmo raciocínio vale para companhias que se dizem apoiar pessoas LGBTQI ou negras.

Quais são as associações da marca

Verifique se os valores dos parceiros e fornecedores da marca estão alinhados aos valores defendidos publicamente. Observe se a empresa apoia associações ou ONGs do setor.

 

Tenha um olhar mais amplo

Enfim, é preciso ter consciência que a marca é muito mais do que é comunicado em seus canais e redes sociais oficiais. Atente-se as informações que são divulgadas por fontes isentas.