Uma análise prospectiva dos resultados de uma pesquisa com adultos norte-americanos sugere que o uso de maconha pode estar associado com um risco aumentado para o desenvolvimento de distúrbios de álcool e drogas, mas não de transtornos de humor ou ansiedade, de acordo com um estudo publicado na última semana na renomada Revista Científica JAMA Psychiatry.

“Nossas descobertas sugerem cautela na implementação de políticas relacionadas com a legalização do cannabis para uso recreativo, pois pode levar a uma maior disponibilidade e aceitação do cannabis, reduzida percepção de risco de uso e aumento do risco de efeitos adversos na saúde mental, tais como abuso de outras substâncias “, diz Mark Olfson da Universidade da Columbia, EUA.

Olfson e colegas examinaram prospectivamente as associações de consumo de cannabis com a prevalência e incidência de transtornos de humor, ansiedade e de abuso de substâncias em uma amostra nacionalmente representativa de 34.653 adultos norte-americanos entrevistados pot três anos como parte da Pesquisa Nacional Epidemiológica das Condições Relacionadas com o Álcool e outras drogas.

O consumo de cannabis foi avaliado pedindo aos entrevistados se eles tinham consumido cannabis nos 12 meses anteriores à entrevista, e transtornos psiquiátricos foram avaliados de acordo com o Manual Diagnóstico e Estatístico de Saúde Mental da Associação Psiquiátrica Americana.

A análise dos dados revelou que o consumo de cannabis foi significativamente associado com transtornos de uso de álcool e dependência de nicotina, mas sem associação com transtornos de humor.No entanto, os autores notaram que o estudo foi incapaz de determinar uma associação causal entre o uso de cannabis e novo início de transtornos por uso de substâncias psicoativas.

“Embora os benefícios para a saúde do consumo de cannabis exijam mais testes entre os pacientes que não respondem aos tratamentos mais tradicionais, a associação do consumo de cannabis com os resultados de saúde mental negativos, tais como transtornos por uso de substâncias, aparece forte”, concluíram os autores.

Portanto, a discussão sobre a possível legalização da maconha no Brasil deve também levar em consideração os aspectos importantes apontados por essa pesquisa atual relevante e inquestionável.

FONTE: APA- Associação Americana de Psiquiatria