Como qualquer medicamento, os antidepressivos podem dar efeitos colaterais no início de tratamento. Alguns efeitos como ansiedade, agitação, alterações do sono e apetite, náuseas, tonturas, boca seca, entre outros, podem ocorrer e costumam ser breves, leves e transitórios – restritos às primeiras duas semanas de tratamento.

Hoje temos várias opções terapêuticas diferentes e, algumas trocas podem ser necessárias, até que o antidepressivo eficaz e com baixo perfil de efeitos colaterais seja descoberto. Por mais que tenhamos estudos demonstrando o baixo perfil de efeitos colaterais dos antidepressivos e a eficácia dos mesmos, sabemos que a resposta individual é sempre diferente da resposta de uma amostra populacional presente nos estudos e isso precisa ser levado em consideração.

Do ponto de vista genético, o nível de metabolização hepática dos antidepressivos pode também variar de pessoa para pessoa. Alguns metabolizam a droga rapidamente (com menor nível sanguíneo da medicação) e outros de forma mais lenta (portanto, com maior nível plasmático da medicação). Na atualidade, é possível diferenciarmos por exames laboratoriais os diferentes perfis de metabolizadores (lentos, rápidos e ultra-rápidos).

Outro aspecto relevante é sempre se questionar o diagnóstico quando a resposta terapêutica aos antidepressivos é ruim após várias trocas e muito tempo de tratamento. Há vários tipos de depressão, temos a depressão que ocorre no transtorno bipolar (e daí o uso de estabilizadores de humor é obrigatório) e há as comorbidades psiquiátricas (associações de quadros depressivos com transtornos de ansiedade, personalidade e outros) que pioram o prognóstico e a resposta.

Cerca de 20% a 30% dos pacientes podem não responder adequadamente aos antidepressivos e para esses casos, além da psicoterapia associada (que auxilia muito na melhora da resposta), outros métodos terapêuticos, não farmacológicos, podem ser utilizados como a estimulação magnética transcraniana e o estímulo elétrico direto transcraniano que são métodos seguros e praticamente isentos de efeitos colaterais significativos.

Portanto, em algumas situações isoladas, pode ser necessária até a procura por uma segunda opinião médica porque o diagnóstico e tratamento podem ser complexos.