Há muitas décadas existe uma dúvida sobre uma possível correlação entre histórico de gravidez e alterações das funções cognitivas (atenção, concentração e memória) anos mais tarde. Muitas mulheres com problemas de memória na menopausa queixam-se de que tiveram tais alterações cognitivas a partir da gravidez como se ficar grávida fosse o “gatilho”.

Mas segundo um estudo publicado na prestigiada Menopause não parece haver uma ligação entre a história da gravidez e a função cognitiva.

Estudos epidemiológicos anteriores relataram que o histórico da gravidez, incluindo a idade da primeira gravidez, está associado à meia-idade e aos riscos de saúde para a idade avançada, incluindo diabetes, hipertensão, hipercolesterolemia e doença cardiovascular.

Para o estudo atual, Sindana Ilango, da Universidade da Califórnia em San Diego, San Diego, Califórnia, e colegas analisaram 1.025 mulheres inscritas no Rancho Bernardo Study que participaram de uma consulta clínica entre 1988 e 1992, onde a história da gravidez foi registrada e a função cognitiva foi avaliada com uma bateria de 4 testes repetidos 7 vezes até 2016.

Os pesquisadores descobriram que, no geral, pelo menos 77% das mulheres tinham ≥1 gravidez. A idade da primeira e da última gravidez variou de 16 a 44 anos e 16 a 49 anos, respectivamente.

Das 16 associações testadas, apenas 1 foi estatisticamente significante. As mulheres que relataram estarem grávidas lembraram 0,12 menos palavras no teste de Buschke Selective Reminding  para cada ano de aumento de idade do que as mulheres que nunca haviam engravidado (P = 0,05).

Além disso, não houve associações significativas entre o número de gestações ou a idade da primeira ou da última gravidez e a taxa de declínio cognitivo, o que implica que as mulheres que esperam ter filhos não precisam se preocupar com o efeito sobre suas habilidades cognitivas.

“Examinando a mudança na função cognitiva ao longo do tempo, a diferença entre aquelas que estavam grávidas em comparação com aqueles que não tiveram filhos foi de 1 palavra a menos em recall por 10 anos”, concluiu JoAnn Pinkerton, MD, da Universidade de Virginia Health System, Charlottesville Virginia. “Nem a presença ou ausência de gravidez nem idade posterior à gravidez parece afetar significativamente a cognição a longo prazo.” Boa notícia!

Referência: https: //journals.lww.com/menopausejournal/Abstract/publishahead/Pregnanc …

FONTE: The North American Menopause Society