Ao mesmo tempo que as mulheres se conscientizaram da importância do aleitamento materno exclusivo até pelo menos os 6 meses de idade dos seus bebês, algumas resistem a não cessar o uso de álcool nesse período. Até nos questionam se realmente o álcool causaria algum malefício futuro à criança sendo que na literatura científica é uma questão ainda polêmica. Não há uma proibição absoluta ao uso de álcool durante a amamentação desde que realizado em pequenas quantidades esporádicas, porém o ideal é a abstinência total. Daí a necessidade sempre de novos estudos na área!

Mulheres que bebem álcool durante a amamentação podem ter maior probabilidade de ter filhos com habilidades cognitivas reduzidas do que as mulheres que não bebem álcool durante a amamentação, de acordo com um estudo publicado na conceituada Pediatrics. Esta redução foi observada em crianças com idades entre os 6 e os 7 anos, mas não foi mantida entre os 10 e os 11 anos de idade.

“Embora o relacionamento seja pequeno, pode ser clinicamente significativo quando as mães consomem álcool regularmente ou bebem demais”, escreveram Louisa Gibson e Melanie Porter, ambas da Universidade Macquarie, na Austrália.

Gibson e Porter analisaram dados de um estudo longitudinal de crianças australianas e suas famílias. Elas se concentraram especificamente em um grupo de 5.107 bebês e seus cuidadores, que foram recrutados em 2004 e avaliados a cada dois anos. Na avaliação inicial (fase 1), as mães foram perguntadas se amamentavam ou não, com que frequência e quanto bebiam álcool e quantos cigarros fumavam. Nas avaliações posteriores, as crianças receberam testes cognitivos e de desenvolvimento (incluindo um teste de prontidão escolar na fase 3; um teste de vocabulário nas fases 3, 4 e 5; e um teste de raciocínio nas fases 4, 5 e 6).

O estudo revelou que crianças de 6 a 7 anos cujas mães relataram consumir álcool enquanto amamentavam tiveram escores mais baixos no teste de raciocínio do que crianças cujas mães não relataram consumir álcool durante a amamentação – uma relação que os autores observaram não foi observada em crianças que não foram amamentadas quando bebês. “Isso sugere que a exposição ao álcool através do leite materno foi responsável por reduções cognitivas em bebês amamentados ao invés de fatores psicossociais ou ambientais que cercam o consumo materno de álcool”, relataram Gibson e Porter. Em contraste, crianças que foram amamentadas por mães que fumavam cigarros tiveram uma pontuação similar nos testes cognitivos para aquelas que foram amamentadas por mães que não fumavam cigarros.

Em um editorial de acompanhamento, Lauren M. Jansson, MD, diretora de pediatria do Centro de Dependência e Gravidez da Universidade Johns Hopkins, observou que a exposição pós-natal ao álcool através do leite materno pode causar déficits resultantes da exposição pré-natal ao álcool. “Embora os resultados deste estudo tenham sido independentes do consumo de álcool no pré-natal, o uso de álcool na gravidez foi registrado pelo auto-relato materno retrospectivamente, e há muitas pressões psicossociais e outras múltiplas para as mulheres negarem o uso de substâncias gestacionais. Uma mãe que usa álcool durante a amamentação pode ter um distúrbio atual de uso de álcool e ser mais propensa a fornecer tratamento insensível ao filho ou ter problemas com a autorregulação, impulsividade, julgamento prejudicado e a capacidade de fazer escolhas seguras para si mesma e /ou seu filho. ”

Portanto, é fundamental que as mulheres grávidas e que amamentam seus bebês se proponham a álcool “zero” nesses períodos a fim de que não ofereçam riscos ao desenvolvimento cognitivo das suas crianças no futuro.