Psiquiatria: mitos e verdades

Em psiquiatria, há muito preconceito e ideias erradas a respeito de diversos aspectos, geralmente fundamentados puramente em desinformação ou ignorância no sentido literal da palavra.

Como nossa missão médica, além de tratar, é informar, elaboramos esse guia prático sobre mitos e verdades da psiquiatria.

Assim, quem está em tratamento tem mais forças de prosseguir e, quem tem dúvidas, adquire confiança para dar o primeiro passo.

Mitos e verdades da psiquiatria 

1. Transtorno mental é sinônimo de loucura.

MITO: transtorno mental, apesar do nome ser carregado de sentido pejorativo para muitos, significa apenas que a pessoa tem uma doença psiquiátrica. Não quer dizer loucura, fraqueza pessoal.

É uma doença geralmente crônica como diabetes, hipertensão, etc. É preciso tratar para que os sintomas sejam controlados e, assim, a pessoa possa levar uma vida normal.

2.Ter um transtorno mental é sinal de fraqueza. 

MITO: ter um transtorno mental não é fraqueza ou falta de caráter, mas, pode ser uma soma de fatores como predisposição genética, alterações clínicas e ambientais, eventos estressores atuais ou prévios e alterações químicas cerebrais

3.Pessoas com Transtorno Bipolar não conseguem ter uma vida normal.

MITO: há tratamentos – que envolvem medicação acompanhamento psiquiátrico e psicoterápico – que permitem que a pessoa leve a vida normalmente, desde que siga as orientações adequadamente.

4.Depressão é genética.

Mais ou menos: depressão, como outros transtornos mentais, possui um componente genético.

É comprovado que parentes de primeiro grau de indivíduos com transtorno depressivo apresentam duas a três vezes mais chances de terem um quadro depressivo do que a população geral.

Mas outros fatores contribuem para o desenvolvimento ou não da depressão como eventos da primeira infância, estrutura familiar, doenças clínicas, personalidade e presença de estressores ambientais.

5.Depressão e Ansiedade podem impedir uma pessoa de trabalhar.

VERDADE: qualquer transtorno que interfere no humor, cognição e comportamento, como os quadros depressivos, ou distímicos (mau humor crônico) e quadros ansiosos,podem alterar o desempenho no trabalho.

Estes pacientes podem apresentar dificuldade de concentração e raciocínio, incapacidade total ou parcial.

A Depressão já é a segunda causa mais comum de invalidez em todo o mundo, ficando atrás apenas das dores nas costas.

Ir ao psiquiatra não é sinônimo de estar louco!

6.Se preciso ir a um psiquiatra, é porque meu caso deve ser muito grave. 

MITO: A psiquiatria serve para diagnosticar e tratar casos de sofrimento emocional intenso, alterações comportamentais – às vezes muito sutis – que prejudicam a vida social, profissional, sentimental e familiar de qualquer pessoa.

O caso não precisa ser grave para se procurar um psiquiatra – aliás, deve-se buscar ajuda profissional justamente para o quadro não se agravar.

7.Depressão e tristeza são a mesma coisa. 

MITO: Tristeza é um sentimento que todos nós sentimos em situações difíceis como a perda de alguém querido.

O transtorno depressivo é uma síndrome, um conjunto de sintomas que, além do sentimento de tristeza, engloba

  • humor deprimido,
  • sintomas cognitivos (alterações de memória e concentração),
  • alterações de funções vitais como sono e apetite,
  • diminuição da capacidade de sentir prazer e da motivação para se envolver em diversas atividades e pode, em alguns casos, levar o indivíduo a apresentar pensamentos relacionados à própria morte.

Tais sintomas devem estar presentes por pelo menos duas semanas.