Rafael. Escola de Atenas. Fonte: wga.hu. Google imagens.

“Amor platônico” remete a Platão. É aquele tipo de amor que se situa no mundo das ideias. Portanto, longe da realidade. Remete ao caso de amor homossexual narrado por Platão, entre Alcibíades, um dos jovens mais belos de Atenas, e Sócrates, o ancião mais sábio de Atenas.

Num banquete, cujos ingredientes eram diálogos animados, vinho e sexo (era a forma grega de fazer filosofia), Alcibíades e Sócrates foram para a cama. O jovem atira-se para aquele admirável sábio. Sócrates, porém, recusa o corpo desejante do belo mancebo, preferindo mostrar-lhe que há um amor puro, para além do corpo, o amor das ideias, inclusive da ideia de amor.

Eu gostaria de propor, cara leitora, a canonização de outra expressão, em homenagem a um astuto aluno de Platão, vale dizer, Aristóteles. Este já desconfiava das ideias estranhas do mestre.

Proponho, assim, o AMOR ARISTOTÉLICO.

Que é o amor aristotélico?

O astuto aluno de Platão dizia que a verdade não depende de um suposto mundo das ideias, mas do mundo da experiência.

Uma pintura de Rafael, Escola de Atenas, indica essa oposição. No centro do quadro, acima reproduzido, Platão, a esquerda, aponta para o céu, e Aristóteles, ao seu lado, indica a terra. Bela oposição filosófica captada pelos olhos geniais de Rafael.

Que é o amor aristotélico?

Em vez de colher flores na primavera, e levá-las para a pessoa amada, deixe-as lá em paz, e faça um piquenique no campo, bebendo vinho e comendo pães, depois façam sim outras coisas, ao ar livre.

Em vez de trocar mensagens românticas pelo smartphone, vá pessoalmente na casa da pessoa amada, e leve-a para jantar num bom restaurante.

Em vez de fantasiar um beijo em quem está interessad@, crie uma situação de proximidade, ganhe a confiança, no momento propício, agarre e beije. Se levar um tapa na cara, não será um tapa platônico. Mas cuidado com o politicamente correto, para não cair em desgraça por este insensato ato aristotélico.

Em vez de ouvir música a dois, falando disso e daquilo, simplesmente vão dançar, rodopiar, até suar etc.

E se você for mulher moderna, vá de bike, e leve  @  namorad@ na garupa. Isto também é amor aristotélico!