Foto: Luke MacGregor/Reuters

Foto: Luke MacGregor/Reuters

LIVERPOOL – Foram quase duas décadas de exílio total, até o estouro de Get Lucky, parceria com o duo Daft Punk, lançado em 2013. Nile Rodgers superou o vício em drogas, um câncer severo e retornou à cena com a mesma fome de um astro que acaba de emplacar seu primeiro hit mundial. Como parte de seu grande ‘come back’, vem aí a série documental Nile Rodgers – Lost in Music, produção original da BBC.

“Fui diagnosticado com um grande e severo câncer 6 anos atrás. Os médicos não estavam muito otimistas. Foi aí que decidi falar sobre mim. Eu amo meu trabalho, e tinha que tirar isso do meu peito e compartilhar”, disse o guitarrista em um encontro com a imprensa durante a 41ª edição do Showcase da BBC, em Liverpool.

Rodgers compartilhou curiosidades sobre sua carreira, como o dia que Grace Jones o convidou para ir ao seu camarim, mas esqueceu de avisar seus seguranças – que rapidamente o expulsaram quando disse ser amigo da cantora. Esta situação deu origem ao hit Le Freak. “Saí de lá, comprei duas garrafas de Dom Perignon e comecei a cantar ‘aaaah, fuck off’. Vi que isso poderia ser um bom refrão, mas não poderia cantar desta maneira (risos). Tentei ‘freak off’, mas esta expressão não existe. Na música a gente até tem liberdade de criar algumas coisas, mas não faria o menor sentido. Disso, veio o ‘freak out'”, comentou.

Sobre seu documentário, Rodgers falou sobre os motivos que o levaram a assumir a produção: a morte de seu pai e o medo de fazerem um registro equivocado sobre sua história.

“Quando você é diagnosticado com uma doença terminal, você logo fica desesperado. E se tiver sorte, em seguida começa a pensar sobre a vida. Meu pai foi um brilhante musico, ele partiu e não deixou nada do ele fez. Quando eu estava escrevendo sobre sua morte, não encontrei nenhum registro além das minhas próprias lembranças. Não havia nada registrado sobre o que ele fez. Nada! Nenhum script, nenhuma gravação. Somente as apresentações ao vivo. Ele era um gênio”, comentou.

“E existe outro ponto. Vi que precisava deixar um registro correto sobre a minha obra para os meus fãs. Ninguém melhor do que eu para falar sobre as histórias que eu vivi e os trabalhos que executei”, disse.

Nile Rodgers – Lost in Music está em fase final de edição e ainda não ganhou data de lançamento no calendário da BBC.

 

O repórter viajou a Liverpool a convite da BBC Worldwide