Trilha sonora:

Pequena birrentinha,

São tempos difíceis para nosso país. E você parece sentir a tensão no ar. Essa semana, na ressaca pós show de horrores de nossos nobres deputados, reparei no seu mais recente hábito, o da birra. Você parece querer impor suas vontades a todo custo. Chora, esperneia.

Uma nova fase complexa de lidar. E como não queremos te mimar, tudo vira batalha. Da última colherada no jantar, passando por tomar banho, até a hora de ir dormir.Tudo demanda negociação, diálogo, convencimento. Democracia não é fácil, dizem. Educar um ser humaninho também não.

Por isso, mamãe e eu lemos um livro que recomenda uma solução: Deixar você decidir algumas coisas. Quer dizer, fazer você pensar que está decidindo. Por exemplo, agora, deixo duas opções de vestidinhos pra você usar. Ambos já foram previamente selecionados por mim considerando clima, conforto, praticidade, moda, bom senso (mamãe provavelmente me questione nesse item), etc. Então, proponho que você escolha um dos dois.

Você nega o primeiro, veste o segundo e nem desconfia que já estava em meus planos qualquer uma das opções. Faço o mesmo com os sapatinhos. E você, feliz da vida exerce toda sua precoce autonomia com seu look montado. Ou assim pensa.

Tem funcionado. Você segue confiante, senhora do seu destino, “independentona” e, assim, chora menos e dá menos trabalho. Mais ou menos como nós, o tal “povo brasileiro”.

Golpe, escândalos de corrupção, patos da FIESP, máfia da merenda, intolerância, repressão, homenagem a torturadores, panelas, tudo isso parece fazer parte do mesmo showzinho. E nossa autonomia e liberdade são resumidas a escolha entre dois vestidinhos. Eles também leram o mesmo livro que o papai e a mamãe.

Com essas bobagens na cabeça, te levei para passear.
Você vestia:
um chapéu de palha maior que sua cabecinha, por cima da tiara da Luna e uma bandana do Red Hot Chili Peppers (Papai nunca usou isso, juro!) Uma fralda em cada braço, um cinto e uma credencial para o carnaval de 2009 como colares, combinando com a camisola da mamãe e uma toalha como capa. Calçou no pé esquerdo a botinha da Peppa e no direito uma meia amarela. Sem falar no batonzinho básico espalhado por toda bochecha, testa e um pouquinho da orelha esquerda também – dando aquele toque belo recatado e do lar.

Amor anárquico,

Papai.
21.04.16