Atravesse pelo ano de 2017 fortalecido. Mas, quando for preciso, peça ajuda para alguém de sua confiança, como um parente próximo, um amigo querido ou, dependendo do caso, recorra até a ajuda de um profissional

maosdadas

Muitos de nós têm o costume de querer resolver tudo sozinho, por mais que a missão seja pesada ou complicada. Talvez para provar que somos capazes de reger nossas próprias vidas ou simplesmente por não querer incomodar outra pessoa. E como, muitas vezes, é difícil ter de tomar todas as decisões solitariamente – e confiar na própria avaliação, sem contar com uma segunda opinião, de alguém que esteja de fora da situação.

Levando a questão para dentro dos núcleos familiares, isso é muito comum, por exemplo, para quem é pai ou mãe solo e cuida de seus filhos sozinho, sem contar com um parceiro em casa para compartilhar os desafios – e as despesas – do dia a dia. Trabalhar, educar, cuidar da casa, brincar com os filhos, ajudá-los na hora da lição de casa, fazer verdadeiros malabarismos para pagar todas as contas do mês – e quantas vezes o orçamento não dá para tudo que é preciso pagar! -, e ainda tentar manter a serenidade quando tudo ao redor está desabando. É muita coisa para uma pessoa só. Isso, claro, não quer dizer que o fardo não recaia também sobre um único indivíduo em outras situações em família.

Por mais que sejamos fortes, é preciso saber a hora de pedir socorro. Isso não significa que você é fraco: significa que você é humano. Não somos super-heróis. E não precisamos ser. Peça ajuda a quem é de sua confiança: alguém da família, um grande amigo. Às vezes, essa pessoa não pode te dar apoio financeiro, como talvez seja necessário naquele momento, mas pode dar um conselho precioso, sugerir um caminho ao qual você sozinho não chegaria, apontar uma resolução para aquele problema que parecia impossível de ser solucionado. Enfim, te mostrar uma luz no fim do túnel.

Se o caso for mais sério, parta então para a ajuda de um profissional: psicólogo, psiquiatra, advogado…

O ano de 2016, que, como já falamos aqui no blog, foi tão difícil e, ao mesmo tempo, repleto de aprendizados, também nos ensinou que é preciso estarmos unidos em momentos de crise. E a crise não precisa, necessariamente, ser de âmbito nacional ou internacional. Pode estar dentro de casa. O que não a torna menos importante.

Assim, atravesse pelo ano de 2017 fortalecido. Mas, quando for preciso, faça alguém querido saber que você está no seu limite e peça ajuda. Afinal, você não precisa carregar o mundo nas costas sozinho.

 

Mande sua história ou sugestões de matéria para os e-mails familiaplural@estadao.com e familiaplural@gmail.com

Acompanhe a gente também no Facebook: @familiaplural