Nessa primeira edição, conheça a trajetória da estilista Julia Pak e da consultora de imagem Marina Naves

Todos aqueles que já demonstraram desejo por cursar moda na graduação, e por seguir carreira na área, já foram questionados em relação àquilo que é feito pelo profissional da área. A pergunta, em si, não é problemática. A questão está na visão, quase de senso comum, de que “fazer moda” é sinônimo de “criar camisetas”. De fato, em grande parte, a indústria está voltada à produção de roupas, mas vai muito além de camisetas, vestidos ou calças.

A área da moda no Brasil inclui 25,5 mil empresas, com 1,5 milhão de empregados diretos, dos quais 60% são de mão de obra feminina. É a segunda maior empregadora da indústria de transformação, que ultrapassa o desenvolvimento de vestuário.

Se analisarmos o mercado de moda, veremos uma vastidão de oportunidades de ofícios: se o profissional deseja abrir uma marca de roupa, encontrará nichos como festa, noiva, lingerie, praia, infantil, esporte, além daqueles tradicionais de moda feminina e masculina casual. Há também aqueles que optam por carreiras como a consultoria de imagem, o figurino, o coolhunting, o jornalismo e até mesmo a área de pesquisa acadêmica. Seja qual for a escolha profissional do graduando em moda, este, com certeza, deverá desenvolver um pensamento empreendedor, uma vez que se trata de uma área cujas trajetórias profissionais estão muito atreladas ao consumidor, seja ele de um produto ou serviço.

Para isso, é importante que na faculdade sejam oferecidas disciplinas e iniciativas que encorajem o pensamento para além da criação e que impulsionem o desenvolvimento de projetos da perspectiva do empreendedorismo. Na intenção de apresentar alunas e alunos, ex-alunas e ex-alunos empreendedores que passaram pela FAAP, partindo de entrevistas, fizemos um mapeamento da trajetória desses profissionais para ilustrar as possibilidades de atuação nas mais diversas áreas do mercado. Em uma série de reportagens, apresentaremos seus perfis e percursos.

Começamos com a estilista Julia Pak e com a consultora de imagem Marina Naves, ambas ex-alunas do Curso de Moda da FAAP.

Roupas sob medidas para noivas

Julia Pak, nascida em Vitória e graduada em Moda pela FAAP, relatou em nossa conversa que nem tudo é glamour. Muitas vezes, mudou de percurso e contou com o “acaso”. Hoje, com 29 anos, há sete comanda um atelier focado em roupas sob medida para noivas e foi indicada pela Forbes na lista de Under 30s de 2020. A estilista e empresária não tem nada menos do que uma história riquíssima e recheada de sucessos.

A estilista Julia Pak. Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal

Na faculdade acreditava que iria seguir a carreira de coolhunter, o que fez logo após sua graduação, muito embora o perfil criativo já pudesse ser evidenciado durante os estudos, por seus professores, e na premiação de segundo lugar no concurso FAAP Moda de 2014.

Contudo, a possibilidade de ter o seu próprio negócio surgiu durante o casamento de sua prima, que lhe pediu para que fizesse o vestido de noiva. O sucesso da peça levou a um segundo pedido de trabalho e Julia abriu seu primeiro atelier em seu próprio quarto, em 2014. Pouco depois, foi convidada para participar de um reality show sobre estilistas cuja proposta era focada em noivas.

Criação do sapatinho para a divulgação do filme Cinderela, da Amazon Prime Video Brasil. Foto: Reprodução/Instagram

Atualmente, ela tem atelier na Rua Oscar Freire, em São Paulo. O sucesso pode ser medido, também, pela parceria com a empresa de máquinas de costura Singer, pela criação de peças para artistas como Ana e Vitória, de um sapato de 1,5m de altura para a divulgação do filme Cinderella a convite da Amazon Brasil e a presença na lista das jovens com menos de 30 anos a ser observada pela revista Forbes. Além disso, desenvolveu uma empresa de moda casual sob medida, Mel by Julia Pak, que apresenta para suas clientes 20 diferentes opções de tamanhos – já na concepção, as peças são criadas visando o melhor caimento para qualquer tipo de corpo.

De acordo com Julia, quando sugerem a ela que ministre um curso sobre empreendedorismo, haja vista seu sucesso, ela diz: “não saberia ensinar uma receita. A minha trajetória é resultado de vários fatores: ter nascido em Vitória, ter pai japonês e mãe coreana, ter estudado na FAAP.”  A estilista também disse: “Abrir marca é difícil. Fazer roupa é difícil. Toda vez que vou lançar algo tenho que pensar em todo o processo da venda. Foi uma escolha consciente quando decidi abrir o atelier, mas já sabendo o que eu iria passar.  Tem um mercado que anda a mil por hora. Você tem que entender que não vai acompanhar. A pergunta é: qual lugar ocupar para existir neste mercado? Qual caminho vamos criar? Existe o empreendedor que vê uma oportunidade, rastreia e oferece um produto de momento. E tem aquele que vai oferecer uma solução não momentânea, cultural, de inovação. É aí que meu perfil observador, de atuar na área do coolhunting entra, e o produto é moda.”

Consultoria de Moda

Marina Naves é mineira, ex-aluna do curso de Moda da FAAP, e atua como Consultora de Moda. Criadora do “O Armário Perfeito”, a jovem empreendedora ministra cursos, cria e-books e guias de estilo para profissionais como advogadas, administradoras, pessoas da área da saúde, entre outras. Também dá consultorias particulares, hoje, de maneira remota, além de prestar serviço para empresas por meio de palestras, workshops e treinamentos personalizados.

A consultora de imagem Marina Naves. Foto: Reprodução/Instagram

Formada em 2016, Marina sempre foi apaixonada por moda e desde cedo apresentava interesse em realizar graduação na área. No entanto, não imaginava que trabalharia com o que faz hoje. Antes de iniciar o curso, acreditava que o mercado era exclusivo aos profissionais de criação, mas, após cursar a disciplina de styling, percebeu seu talento e gosto pela consultoria. Realizou cursos no exterior e na própria FAAP de especialidades como coloração pessoal, consultoria completa e imagem corporativa.

Durante a faculdade iniciou sua vida profissional, realizando trabalhos freelancer e, após a graduação, continuou com atendimentos de consultoria de maneira presencial. Com o passar dos anos, virtualizou seu trabalho que, hoje, é realizado de maneira 100% online. Faz isso por meio de seu curso “O Armário Perfeito”, lançado em 2018, ministrado em oito módulos, conteúdos gratuitos, newsletter, curadoria de armários cápsulas e consultorias personalizadas.

Marina diz: “Ter sido aluna de moda influencia muito meu trabalho. Tenho um  know-how maior, por entender os tecidos, a história da moda, história da arte, gestão de moda. São áreas que permeiam a minha vida de consultoria de imagem e que são um referencial muito grande. Me fazem ter muito mais argumento, mais conhecimento para conversar, entender o momento pessoal da cliente, ou até um momento pelo qual a moda está passando e o quanto isso reflete na vida das pessoas.”

Armário Perfeito. Foto: Reprodução/Instagram

Além de Julia Pak e Marina Naves, há outras inúmeras alunas e ex-alunas com trajetórias únicas. Esta reportagem pretende introduzir algumas destas histórias e, portanto, será publicada em série, semanalmente. Na próxima parte, apresentaremos as trajetórias de Ana Luísa Fernandes (ALUF), Bethina Oger Garcia (Coworking Mob Fashion) e Heloísa Funaro (Loli Funaro).

 

Por Barbara Marques (aluna do 6º semestre do Curso de Moda FAAP), com a colaboração das professoras Maíra Zimmermann e Monayna Pinheiro.