pixabay

Quando o livro do marido foi publicado, Fúlvia sentiu, pela primeira vez em quase dez anos de casamento, que talvez Éverton pudesse ser mesmo o que ele e a família dele achavam: um homem importante.

Nos últimos três anos ele vinha falando, falando e falando sem parar daquele projeto: o original do seu livro estava sendo lido, algumas alterações tinham sido propostas, as modificações haviam sido feitas e agora faltavam só as ilustrações, a apresentação e as orelhas.

Fúlvia tinha ouvido aquilo tudo com o mesmo interesse que mostraria por um torneio de golfe ou de xadrez. Enquanto Éverton, empolgado, expunha com minúcias cada uma dessas etapas, ela não dizia nem sim nem não. O máximo que fazia, para fingir estar acompanhando as entusiasmadas informações do marido, era balançar a cabeça afirmativamente e comentar:

“Hã-hã, hã-hã, hã-hã.”

Na noite em que ele chegou estourando de satisfação e pôs na mão dela o livro de capa vistosa, ela estranhou:

“O que é isto?”

“O livro, Fulvinha, o livro!”

Fúlvia ainda ficou uns 15 segundos sem entender. Só depois de ver o nome de Éverton na parte de cima da capa, ela disse:

“Ah, o livro.”

Baixando o olhar para o centro da capa, ela leu o título e, embora o tivesse achado estranho, foi gentil e não disse nada. Sorriu, e esse sorriso deixou Éverton mais feliz do que se estivesse recebendo o Prêmio Nobel.

“Você não vai abrir?”

“Abrir?”, vacilou Fúlvia, que não estava habituada a lidar com papel impresso.

Ajudando-a, ele abriu o livro na página 5 e, quase comovida, ela leu: para minha querida Fúlvia, com amor.

Sem saber o que fazer, Fúlvia pigarreou, olhou para Éverton, continuou sem saber o que fazer, pigarreou de novo e, afinal, murmurou:

“Obrigada.”

Se além dessa palavrinha ela tivesse pensado em beijar Éverton, ele se sentiria o marido mais feliz do mundo. Ele se sentiu assim – o marido mais feliz do mundo – quando, depois do jantar, no meio de uma conversa telefônica com a mãe. Fúlvia perguntou:

“Eu não disse que ele ia conseguir, mãe?”

Éverton não se sentiria tão feliz se soubesse que ela não estava falando do livro. Estava falando da aposentadoria finalmente concedida ao pai.