Está apaixonado por Fernanda Lima. Não é o único, ele sabe, e esse é que é o seu problema existencial. Assim é que ele o chama, sem dispensar o adjetivo: seu problema existencial.

É esse problema existencial que o preocupa nesta manhã. Se Fernanda Lima soubesse de sua paixão, talvez ele tivesse uma chance: uma em um milhão, por aí, mas enfim…

Ele pensa no que poderia fazer e, como em tantas outras manhãs, são as mesmas ideias que lhe ocorrem. Uma delas é esperar a próxima manifestação na Paulista, fazer um cartaz e esfregá-lo na cara das câmeras: eu amo Fernanda Lima.

Fazer isso talvez não seja difícil, mas ele correria o risco de ser escorraçado pelos manifestantes assim que levantasse o cartaz. Quem aturaria a audácia de misturar reivindicações sociais com uma declaração de amor?

E, mesmo que ele conseguisse exibir o cartaz e Fernanda Lima chegasse a vê-lo ao vivo ou depois, num jornal, como ela saberia seu nome, como faria para entrar em contato com ele, se por acaso se encantasse com seus olhos azuis?

Não, não daria certo. Talvez fosse mais simples inscrever-se entre os candidatos do novo BBB e, lá, na casa mais vigiada do Brasil, tornar-se conhecido como aquele maluco que só fala na Fernanda Lima. Mas não acabou uma edição do BBB outro dia? Ele não pode esperar mais, ele não aguenta a ansiedade: Fernanda Lima precisa saber que é amada por ele, e já.

Falta-lhe coragem, ele pensa. Já era hora de ele ter armado uma barraca e iniciado uma greve de fome diante da televisão onde Fernanda trabalha, e só interrompê-la quando ela fosse lá pedir com aquele jeitinho só dela.

Ele já chegou a pensar nos detalhes desse plano, mas é mesmo um covarde. O marido de Fernanda trabalha na mesma televisão e, pelo que ele já viu nas novelas, é um tipo durão.

Bem, novela é fantasia, ele sabe, e os atores representam papéis. Isso chega a lhe dar certo ânimo, mas aí lhe vêm à memória os programas em que Rodrigo Hilbert, preparando menus variados, corta implacavelmente carnes e peixes. Ele sente um arrepio.

Antigamente era mais fácil a vida dos apaixonados. Uma de suas tias, que teve três famosos pretendentes, casou-se com aquele que a chamou em uma cartinha de “horizonte da minha alma”.

Quem sabe seja esse o caminho. Fernanda Lima deve gostar de poesia. Ele não é poeta, ainda. Mas o que, por Fernanda Lima, não é capaz de fazer um coração apaixonado?