pixabay

pixabay

+ Dizer Quintana ou dizer poesia são duas formas de expressar o mesmo mágico fenômeno que mantém cada vez mais leitores agradecidos e fascinados.

+ Desde o dia em que comecei a falar de Mario Quintana, os passarinhos passaram a me procurar para conversar sobre o sol e as flores.

+ A poesia, em Mario Quintana, se manifestava até nas vírgulas. Nas reticências ele era capaz de englobar uma tarde inteira de outono, com seus frutos e pássaros.

+ Posso imaginar o menino Mario Quintana fazendo mil  travessuras, menos a de sair com um estilingue caçando passarinhos.

+ Se Mario Quintana morasse no Rio, teria descoberto, bem antes que Tom e Vinicius, a garota de Ipanema.

+ Uma das especialidades de Mario Quintana, talvez a mais notável, era lembrar às pessoas que a maior alegria dos lábios não é transmitir palavras. É sorrir.

+ Os melhores amigos do menino Mario Quintana eram as gurias de olhos sonhadores e os passarinhos metidos a barítonos.

+ Penso em Mario Quintana como se fosse um homem parado numa esquina de Porto Alegre, cortando e distribuindo fatias de sol. Fininhas, naturalmente, que são as mais saborosas.

+ Se um dia eu for para Pasárgada, sei que lá estará Mario Quintana. Será ele quem me apresentará ao rei, se o rei não for ele mesmo.

+ Mario Quintana tinha o maravilhoso e confessável vício da beleza.

+ A poesia de Mario Quintana é como o cheiro morno da primeira fornada de pãezinhos do dia, que o vento aspira avidamente, misturado com o aroma orvalhado das flores.

+ Mario Quintana é um desses irresistíveis piscares de olhos, uma dessas lentas ajeitadas de cabelos que a poesia usa quando quer se mostrar mais graciosa.

+ A beleza dos textos de Mario Quintana tem sempre um quê de menina travessa encarapitada numa árvore, mastigando uma fruta e cuspindo os carocinhos.

+ Gostar de Mario Quintana é um desses gostares que se assumem logo à primeira vista.

+ Se Mario Quintana fosse chuva, seria dessas que caem amenas, como se temessem afogar uma formiga, afundar um barquinho de papel ou despetalar uma rosa.

+ Para Mario Quintana, fazer poesia era tão natural quanto respirar, porém muito mais prazeroso.

+ Com Mario Quintana a beleza se sentia em casa, como um gato na poltrona predileta.

+ Mario Quintana era um passarinho que assobiava Lupicínio.