pixabay

Um passarinho pode ser bom assunto para um cronista. Um passarinho bem novo, ainda espantado com os primeiros voos e encantado com a sonoridade do próprio canto. Ou um passarinho velho, resignado já à lentidão de movimentos e à economia de gorjeios.

Entre um e outro, o cronista escolherá aquele que convier ao seu estado de espírito, alegre ou triste, e tentará escrever um texto que desperte ao menos em três ou quatro moradores desta cidade áspera um sentimento igual ao dos melhores anos da infância.

O cronista poderá fazer o passarinho novo descobrir uma nota imprevistamente bela nos seus gorjeios ou um melhor modo de flutuar. E poderá pedir ao sol que brilhe um pouco mais fortemente sobre o galho onde o passarinho velho estiver encolhido de frio.

Tudo isso o cronista fará de tal forma que os leitores pensem que, se fossem escrever sobre um passarinho, novo ou velho, escreveriam exatamente igual.

Um cuidado que o cronista há de ter será o de não introduzir na história um gato, por mais gracioso que seja. Gatos e passarinhos costumam ser incompatíveis, talvez por uns invejarem a beleza dos outros.

Outra cautela que se recomenda ao cronista é não se alongar demais no texto. Em São Paulo vive gente apressada que não dispõe de tempo para uma história de passarinho. Gente que compreenderá, talvez, se o cronista disser simplesmente que era uma vez um passarinho e deixar o resto da história aos cuidados de cada um dos leitores.

Ou quem sabe o preferível seja o cronista, esquecendo a recomendação de não deixar entrar no texto um gato, permitir que ele entre e ocupe espaço suficiente para devorar o passarinho. Uma criança, se ler a história, é possível que chore. Mas os leitores, de modo geral, verão nessa hipótese a mais realista para uma cidade seca e objetiva como a nossa.

Resumindo: São Paulo não é certamente o melhor lugar para falar de passarinhos – e também não, provavelmente, para falar de gatos.