pixabay

pixabay

Balzac dizia que a felicidade, numa história, não merece mais do que um parágrafo, o último, aquele no qual, sem detalhes, se conta que os protagonistas viveram bem para sempre. A felicidade, na literatura, é monótona, cansativa, tediosa: mel escorrendo sobre mel, todo dia, toda noite, sempre, como um suplício chinês. A literatura são aquelas trezentas páginas (descontado o parágrafo final) em que se narra a odisseia dos protagonistas para atingir a felicidade.

***************************************************************

A tristeza me parece bem mais espontânea que a felicidade. Há sempre, em qualquer grande ou pequena livraria do mundo, pelo menos uma estante apinhada de manuais que se dispõem a definir a felicidade e a ensinar os caminhos para alcançá-la. Já a tristeza, como apregoariam os camelôs, não requer prática nem habilidade.

***************************************************************

As pessoas, em sua maioria, amam a rotina. Aceitaram desde cedo um conceito de felicidade e temem modificá-lo. Vivem mostrando fotos: olha como eu estou bem aqui, e aqui, e aqui. E ficam atentas a nós, para ver se estamos mesmo olhando. Receiam sair, um passo que seja, do passado. Têm borboletas entre as páginas dos romances favoritos.

***************************************************************

Felicidade é aquilo que os outros têm.

***************************************************************

Que felicidade seria se eu soubesse que hoje tiveste um bom pensamento sobre mim. Um só me bastaria. Eu haveria de saborear esse pensamento por tanto tempo que estarias isenta de ter um segundo pensamento bom. E, se tivesses, me conviria que eu não chegasse a saber. Não estou habituado à felicidade, e uma dose dupla poderia me deixar ainda mais tresvariado do que já estou. Um pensamento só, um apenas, que diferença poderia fazer em mim!

***************************************************************

Felicidade é um conceito de dúbia formulação, de incerta comprovação e passível de defeitos.

***************************************************************

Eu te diria aquelas três pequenas palavras – aquelas que tenho confiado ao vento, esperando que ele vá repeti-las a ti – e acrescentaria mais uma, e depois outra, também pequenas. Eu diria eu te amo, ainda, sempre, e minha felicidade não dependeria de nenhum gesto teu. Minha felicidade estaria no simples, maravilhoso e único ato de dizer, como agora digo: eu te amo, ainda, sempre.

***************************************************************

Enquanto na tevê um psicólogo, um filósofo e uma jornalista expõem sua opinião sobre a felicidade, eu te imagino caminhando por uma festiva rua de uma cidade que, para melhor te receber, proibiu o passeio de nuvens durante o dia, sugeriu ao sol que se esmere no seu brilho, como se fosse feriado, e pediu às árvores do parque central que, quando passares, se curvem delicadamente, como convém a árvores civilizadas e reverentes à beleza.