Desconta-se o tempo do cafezinho.
As intervenções desnecessárias a cerca do clima.
O WhatsApp que você responde por educação.
Idas os banheiro.
Ou o intervalo do cigarro.
As digressões sobre a morte de algum famoso.
Consultas ao saldo de conta corrente via aplicativo de banco.
Repostas negativas ao serviço de telemarketing da operadora de celular.
As ponderações sobre o número de estrelas que um motorista do Uber merece.
A espera do Delivery de pizza.
Leitura de textão em redes social e/ou problematizações subsequentes (tretas e  threads).
A ansiedade que antecede o resultado do exame.
E as férias.
A expectativa do sexo, o sexo em si e o depois do sexo.
O tempo que demora para carregar um vídeo do Xvideos.
As horas de sono.
Os banhos.
E o tempo que, sob efeito de algum narcótico, você se achou ótimo.
Faz a conta,
Quanto é que sobra?