Jonathan Emmanuel Flores Tarello/Creative Commons

Jonathan Emmanuel Flores Tarello/Creative Commons

Uma amiga do trabalho, durante uma conversa, vira e diz pra Ella: “Tenho um amigo, que é a sua cara!”.
As duas riem muito. E a amiga passa um link de Internet, com foto e dados dElle.

Dias depois, Ella inicia o contato via e-mail e começam a conversar.
Algumas semanas se passam e decidem se encontrar pessoalmente. Há muitos shows acontecendo na cidade e então, escolhem o mais aconchegante, o que tem o gosto musical dos dois.

Chega o grande dia. E Ella escolhe suas melhores roupas, sapato novo, maquiagem, bolsa, tudo perfeito para a noite. Havia planejado tudo e iria sair mais tarde do trabalho, assim adiantaria algumas tarefas. Enquanto aguardava o horário de se encontrar com Elle e assistir ao show.

São 20h, não tem quase ninguém na empresa e no prédio. Ella desce de elevador e ao atravessar o hall aberto do prédio, percebe que a noite esta perfeita, com a lua clara e brilhante, suspira bem fundo e continua andando até a saída.

Inesperadamente, ao descer o primeiro degrau, Ella tropeça na barra da calça, com o bico do sapato e cai 9 degraus abaixo e bate com a cabeça no chão. O pessoal da portaria, corre para socorrê-lá e chamam o bombeiro do prédio. Ella não consegue se mover e esta em choque emocional. O bombeiro a movimenta devagar, percebe que não tem nada quebrado, mas machucou muito o ombro e a cabeça e consegue a por de pé.
Chamam seu chefe, que ainda estava no escritório e que a leva para o hospital mais próximo.
Ella pensa: “E elle?? Como vou avisá-lo de tudo isto?”

Ella em choque, mas consciente, quando chega ao hospital pede ao chefe para ligar pra Elle e avisá-lo. Pois não consegue falar direito e Elle já havia ligado muitas vezes, em seu celular.
O chefe liga, explica o que aconteceu e Elle resolve ir ao hospital.

Ninguém se conhece Elle a Ella, Elle ao chefe.
Mas Elle, sai em busca do chefe, perguntando por seu nome na enfermaria e o encontra. E é levado até Ella.

Elle abre a cortina do pronto-socorro e a vê, ali, de roupa hospitalar, machucada, descabelada, envergonhada … Mas pra Elle é a mulher mais linda, que acaba de conhecer.
Ella sem jeito, pede desculpas. Mesmo sabendo, que não há como prever um acidente.

Conversam durante horas, se olham nos olhos e a noite fica maravilhosa, mesmo ali, no pronto-socorro.
Ella recebe alta hospitalar. Elle a leva pra casa, assim mesmo, com propé, avental hospitalar, machucada, dolorida, descabelada e roxa.

Chegam na casa dElla e Elle todo cauteloso a ajuda a sair do carro. Já são 2h30 da manhã e o encontro que seria no show e depois um jantar, acaba ali, na frente da casa dElla. Vestida com roupas hospitalares ‘azul desbotada’. Mas antes que Ella dê o segundo passo dentro de casa, Elle delicadamente a segura, olha bem dentro de seus olhos e a beija suavemente, com ternura e carinho. Ella ao sentir seu beijo, o abraça da forma que é possível e corresponde os sentimentos.

Elles se despedem diversas vezes.
Até que Elle já na calçada diz: “Amanhã eu te ligo e venho te visitar, posso?”. Ella apenas sorri e seus olhos brilham e iluminam a face dElle.
E então, Elle percebe que é um ‘sim’!

Novas crônicas toda quarta-feira.