É domingo, começo de noite. E Ella só pensa o porquê este vazio tem de existir.
Seus pensamentos são povoados com milhares de lembranças dElle. Que está tão longe fisicamente, mas sempre no seu coração.

Não é dor, não dói mais.
Nem vontade de chorar Ella tem.
Mas sente a falta dElle, como nunca sentiu de ninguém.

É uma falta doce, como se a qualquer momento Elle fosse aparecer e sorrir. E abraçá-la tão forte a ponto de fundir os dois corpos em um só.

Ella balança a cabeça, como que se mexer a cabeça, os pensamentos saem soltos por aí e a deixam estudar. Mas em poucos minutos, algo a faz lembrar dElle novamente.
É o perfume do colega do trabalho (idêntico ao dElle); o filme da TV que menciona o nome do seu curso da faculdade (tão pouco conhecido); são as ruas por onde passa ,perto de seu trabalho ou o prédio que Elle trabalha; por onde Ella passa todos os dias.

É difícil, muito difícil.
Ella já não odeia o Universo (mas odiou por uma semana!).
E Ella sabe que tem de esquecê-lo,o mais rápido possível ou então irá procurá-lo, a qualquer momento.
Ella entende, compreende e aceita, tudo que aconteceu e os motivos. Mas sente, tamanha falta dos poucos e bons momentos de felicidade que teve ao lado dElle.É algo que não consegue explicar.

Já, que ser feliz é tudo que se quer, não é?
E estar feliz e ter de se afastar. Não era bem o que Ella esperava para esta historia.

Novas crônicas toda quarta-feira.

Leia também: