Jonathan Emmanuel Flores Tarello/Creative Commons

Jonathan Emmanuel Flores Tarello/Creative Commons

Ella sempre fez tudo sozinha. Sempre foi muito independente e batalhadora. Cresceu vendo a mãe, a vó, a tia etc sempre fazendo as coisas sozinhas.
Podia ser, algum conserto na casa ou no carro, estas mulheres corajosas de sua família, sempre conseguiam resolver qualquer coisa.

Então Ella iniciou sua vida profissional aos 14 anos. Juntou dinheiro, iniciou a primeira faculdade aos 19 anos (mas após 1 ano, cancelou o curso). Também aos 19 anos, tirou sua carta de motorista. Sua segunda faculdade, iniciou aos 27 anos e a concluiu! Trabalhou muito e comprou seu primeiro apartamento (junto com sua irmã) aos 28 anos. O primeiro carro aos 30 anos (até então dirigia o carro que estivesse disponível). O MBA aos 33 anos. O segundo apartamento (este só dElla) aos 34 anos.

Fez tudo que fez, com garra, determinação e sozinha. Sempre com muito orgulho de cada conquista e de cada erro, pois somente assim, aprenderia e acertaria algo, logo em seguida.

Mas, o que Ella talvez nunca tenha notado é que nunca esteve realmente sozinha, em nenhum dos seus atos. Teve muitos amigos e pessoas especiais em cada momento. Teve o apoio de sua família em todo instante e principalmente de sua mãe.

Sua mãe, incessantemente foi sua grande inspiração, seu ombro amigo, sua força, sua coragem, sua fé na humanidade. Porque ter em casa um ser tão iluminado e bom, é o que faz, com que Ella tenha um exemplo, pra acreditar na humanidade.

Só hoje Ella percebe, depois de tantos anos, joelhos ralados, dores de cabeça, erros, aprendizados, acertos, vitórias, sorrisos e lágrimas, que nunca esteve sozinha em nada. Que sempre precisou de ajuda e nunca precisou pedir (e que deve mudar sua postura diante disto). Pois todos que estiveram ao seu redor, a ajudaram de alguma forma, da melhor forma.

Mas Ella ainda acredita que sim, que “é possível ser feliz sozinha”, mas que é muito mais difícil e doloroso, do que se pode imaginar.

A felicidade está dentro dElla e em nenhum momento se sentiu triste, infeliz ou desamparada. Mas sabe, que o caminho foi mais tortuoso do que esperava, teve fé e caminhou devagar até chegar a cada objetivo, sem parar.

Novas crônicas toda quarta-feira.