[tweetmeme] Você continuará sendo enganado. Sua capacidade de detectar os mentirosos não vai melhorar, e o que é pior, sua fé na honestidade alheia vai piorar, correndo o risco de te transformar num cínico. Tudo isso se você levar o seriado Lie to Me a sério.

Lembro-me de um livro de entrevistas com o Woody Allen no qual ele relatava conhecer muitas pessoas que passavam a vida se sentindo miseráveis por não viverem a realidade de luxo e glamour que viam nos filmes, como se aquilo fosse um mundo real negado a eles.

O mesmo fenômeno ocorre com os espectadores da Fox que acompanham as aventuras do cientista interpretado por Tim Roth, inspirado no psicólogo social Paul Ekman. Para quem não sabe, Ekman é um estudioso das expressões faciais, e conseguiu correlacionar – estatisticamente – determinados gestos, posturas e trejeitos com tentativas de enganar. A partir daí, o herói da TV é capaz de identificar terroristas, adúlteros e mentirosos em geral em tempo real apenas os observando. Agora um estudo recente o desserviço que isso pode prestar.

Voluntários foram convidados a assistir um episódio de Lie to Me ou de Numb3rs – série também policial, mas cujos mistérios são resolvidos por matemática – e em seguida avaliar 12 entrevistas em que metade das pessoas estavam falando a verdade e metade mentindo.

Os resultados não deram margem à dúvida: o grupo que viu Lie to Me ficou mais propenso a achar que as pessoas estavam mentido, mesmo quando estavam falando a verdade, sendo pior na identificação de pessoas honestas. Isso não melhorou em nada, no entanto, sua capacidade de detectar a mentira, que não teve diferença alguma do grupo controle. Como concluem os pesquisadores, o seriado aumenta o cetismo às custas de redução da acurácia. Talvez por ficarem procurando os sinais que são mostrados na TV, mas – mais provavelmente, em minha opinião – por ignorar aquela regrinha básica que repisamos sempre por aqui: a verdade na ciência é estatística, e sua extrapolação para o mundo real deve ser feita tendo isso em mente. Se hipoteticamente 60% dos mentirosos piscam mais do que os honestos, significa também que 40% deles não o fazem. Pode-se afirmar que quem mente pisca mais do que quem fala a verdade, mas não dá para ter certeza nenhuma sobre um indivíduo na sua frente, em tempo real.

Agora que já não vamos confundir realidade e ficção, restaria saber se os produtores da série são mentirosos ou ignorantes.

ResearchBlogging.org Levine, T., Serota, K., & Shulman, H. (2010). The Impact of Lie to Me on Viewers’ Actual Ability to Detect Deception Communication Research DOI: 10.1177/0093650210362686