Idiota mesmo é o sujeito que, ouvindo uma história com duplo sentido, não entende nenhum dos dois.

(Millôr Fernandes).

(Arte: Carlos Castelo)

 

Em 1972, o escritor Paulo Mendes Campos parodiou seu colega francês Raymond Queneau numa crônica. Queneau havia criado um livro inteiro para descrever, de todos os pontos de vista possíveis, um episódio corriqueiro, acontecido em um ônibus de Paris.

Agora, 47 anos depois, decidi parodiar a paródia de Mendes Campos, atualizando-a a nossos sombrios e confusos tempos. No meu re-exercício de escrita, um ciclista é atropelado no centro de São Paulo e, ainda por cima, xingado pelo motorista.

O espelho partido ficou com estas abordagens:

ESTILO JORNALÍSTICO

O ciclista G.R. foi atropelado nessa manhã, em São Paulo, propositalmente. O fato ocorreu enquanto ele pedalava pela zona central da cidade.

Além de ser colhido pelo veículo, que ainda tentou fugir do local, G.R. sofreu agressões verbais do motorista que parecia estar fora de suas faculdades mentais. O ciclista passa bem, após ter feito exames médicos, mas sua bicicleta foi totalmente inutilizada pela colisão.

ESTILO REAÇA

É muito bem feito para esse senhor G.R. – que de tão covarde, não revela seu nome à imprensa – ter tomado uns xingamentos na cara depois de ter sido abalroado por um automóvel. G.R. é mais um daqueles indivíduos de viés esquerdizante que quer promover seu ódio ao capitalismo trafegando por aí em bicicletas. Obviamente, para com isso prejudicar a indústria automobilística e fazer o país perder milhões de postos de emprego. Todo ciclista sofre de suas faculdades mentais.

ESTILO VEGANO

Se o motorista que atropelou propositalmente um ciclista chamado G.R. nessa manhã, no centrão, fosse adepto de uma dieta vegana, não teria cometido o crime. E também a sequência de palavras torpes que disparou contra a vítima. Isto porque a dieta de origem animal da qual ele se nutre estimula a agressividade e a fuga de situações desfavoráveis. A bicicleta de G.R. foi destruída, mas ele, que certamente é vegano, passa bem. Exames clínicos comprovaram.

ESTILO YODA

Atropelado foi, essa manhã, G.R., um ciclista. Foi proposital o evento, comentadores afirmaram. Veículo em sua direção vinha, em cheio foi colhido o ciclista. De baixo calão, uma série de palavras o atropelador dirigiu-lhe. Do motorista, as faculdades mentais foram questionadas. Totalmente inutilizada, a bicicleta ficou. Mas atestam exames médicos, passa o dono dela bem.

ESTILO ESQUERDIZANTE

Hoje pela manhã, no centro de São Paulo, foi atropelado propositalmente o companheiro G.R. O motorista, ainda tentou se evadir, mas antes xingou o ciclista. O ato, em si, mostra a superposição social que existe entre proprietários de automóveis de luxo e trabalhadores dependentes de sua própria força física para deslocarem-se das residências até os empregos – quando os possuem.

Apesar da violência do crime perpetrado pelo Burguês do Centrão (como está sendo chamado o condutor), G.R. passa bem. Estaria melhor se recebesse um salário justo e pudesse pagar um hospital particular. O Sindicato promoverá uma festa-protesto para arrecadar fundos e comprar uma nova bicicleta para mais essa vítima do capitalismo selvagem.

ESTILO TWITTER

Ciclista é atropelado em São Paulo, de forma proposital. Sofreu agressão verbal do motorista, que tentou fugir. Mas passa bem. SAIBA MAIS.

ESTILO RELIGIOSO

G.R., ciclista cristão, foi atropelado essa manhã no centro de São Paulo. O motorista, possuído pelo demônio, ainda xingou-o, blasfemando contra o Senhor. Tocado pelas maledicências da Sombra, o condutor procurou esgueirar-se da cena do crime. Mas o Pai não permitiu e este foi localizado prontamente. Bençãos do céu caíram sobre G.R. e, apesar de sua bicicleta ter ficado imprestável, seus exames médicos mostram que passa bem. Amém.