Um pouco de nonadas de nada para tentar explicar o todo.

(Arte: Vinícius Zumpano)

– O maior inimigo do ciclista não é o automóvel, é a base do crânio.

– Apesar de todos os avanços na medicina, a estupidez continua sendo uma enfermidade sem especialista.

– Em breve, vai ser preciso importar felicidade ao Brasil.

– Sem inveja, não há capitalismo.

– São Paulo é uma preguiça arquitetônica.

– Heracliteana: ninguém entra em um mesmo rio uma segunda vez, pois quando isso acontece as águas já estarão impróprias para o banho.

– A psicanálise me transformou em espectador de mim mesmo; foi quando eu me vaiei.

– Uma vez fiz um longo curso de escrita criativa. Só deixei de faltar nas aulas uma vez, por motivo de doença.

– Quer ser visto como um autor sério?  Nunca escreva um livro engraçado.

– O coach é para o profissional o que a masturbação é para o sexo.

– Nunca precisamos tanto de humor, mas esse stand-up que tem por aí é uma piada.

– Sou uma pessoa em busca de autodesconhecimento.

– No princípio havia princípios. Hoje é o fim.

– A baixeza dos políticos provoca vertigem.

– O mundo deixou de ser um xadrez para ser um jogo de damas.

– Há âncoras de telejornalismo com tanta experiência que conseguem apresentar seus programas sem precisar usar o cérebro.

– Tem gente que consegue ser chata, sozinha, dentro do Maracanã vazio.

– Sabor e saudabilidade, o novo água e óleo.

– Zona de conforto: prostíbulo com ítens de conveniência.

– A série de TV é o fordismo do cinema.

– A vida kiba a arte.

– O sushi de padaria explica mais o Brasil que todos os livros de sociologia do FHC.

– Criança: pessoa que está sempre 20 passos à sua frente.

– Tão independente que até laço de amizade o deixava sufocado.