Machado para as massas.

 

(Pixabay)

De: Comunição Integrada

 Para: Editores de Machado de Assis.

Conforme solicitado à nossa agência estamos lhes enviando ideias de ações para simplificar, atualizar e dar maior acesso à população ao pensamento do nosso maior escritor, Machado de Assis. Lembramos que quase todas as ideias elencadas podem ser realizadas no formato online durante a pandemia.

Seguem abaixo as sugestões:

MACHADO DE ASSIS CAMPUS PARTY: Reuniríamos todos os nerds do Brasil num acampamento virtual para que eles trouxessem insights ao rejuvenescimento da marca “Machado de Assis”. Google e outras redes sociais de peso seriam convidadas a patrocinar as start-ups com ideias mais criativas em torno do universo machadiano.

MACHADO TWEET’S DAY: Num evento mundial, o tweet que melhor resumir, em 140 linhas, “Memórias Póstumas de Brás Cubas” ganharia o livro “Diário de um Mago”. O segundo e terceiro lugares receberiam a obra completa de Dan Brown.

QUINCAS BORBA STRAVAGANZA CLUB BAND: Uma trupe de DJ’s e músicos escolhidos teria o papel de dar um update no trabalho do “Bruxo do Cosme Velho” através da música eletrônica em baladas e raves. Os poemas do escritor seriam transformados em letras sintéticas e arranjadas com a ajuda de samplers.

FESTIVAL DE MÚSICA PUNK DO MACHADO: A reunião das tradicionais bandas de punk rock, Olho Seco, Inocentes e Cólera, traria um viés hard sell e contemporâneo ao mundo de Machado. Esses grupos, num Festival, cantando canções do tipo “Dom Casmurro, velho batuta” ou “Capitu, vai tomar na tarraqueta” turbinaria o consumo dos textos do autor fluminense por jovens urbanos desencantados com o Sistema.

MOSTRA X-VÍDEOS DE CINEMA MACHADIANO: Após selecionarmos os melhores roteiros, produziríamos curtas revelando como personagens marcantes de Machado de Assis se comportariam se estivessem num filme pornô. Exemplo: um vídeo retratando Bentinho, Escobar e Capitu numa casa de swing. A ação seria totalmente ambientada na Petrópolis dos fins do século XIX. Sem dúvida alguma traria um grande impacto à massificação da obra do Bruxo do Cosme Velho.

FEIRA DE STAND-UP: Renomados humoristas seriam desafiados a criar material para comédia em pé sobre histórias de Machado de Assis de modo a atrair público jovem em lives. Exemplo de mood de um stand-up, tomando por base o conto “Missa do Galo”: “Cara, não peguei ninguém na porra daquela noite de Natal…”

CAMPEONATO DE UFC: Torneio em que lutadores de MMA participariam fantasiados de célebres criações do escritor. Imaginamos que confrontos no octógono entre Brás Cubas e Rubião ou com o Conselheiro Dutra socando Quincas Borba trariam um forte buzz e poderiam ser rapidamente viralizados nas redes sociais.  Ação semelhante poderia ocorrer na Festa do Peão de Barretos. Todos os palhaços de rodeio vestiriam-se de Machado de Assis – terno, barba e pince-nez. Após salvar um cowboy de um touro viriam para o centro da arena e leriam uma crônica do escritor no microfone. Em tempo: devido ao contato físico mais direto, esta ideia seria mais exequível após a pandemia. Caso seja aprovada, podemos orçar imunização às equipes. A verba para o fura-fila, porém, seria cobrada à parte ao orçamento em anexo.

IMPORTANTE: gostaríamos de sugerir a alteração do nome Machado de Assis nessas ações. Para nosso departamento de Planejamento, ele soa antiquado. “Machado”, ainda segundo nossos planners, teria também uma conotação antiecológica. Os nomes mais votados foram: Joaquim Maria (teria um charmoso ar andrógino), Big Machado, Machado de Milão (menos franciscano que Assis e mais chique) ou Assizão.