Alegorias e outros relatos breves.

(Arte: Vinícius Zumpano)

 

PANFLETÁRIA

A mulher distribuía panfletos de um empreendimento imobiliário na rua. Cada um que recebia o papel era brindado com um que o Senhor te ilumine. Após a benção inicial, o pedestre era premiado com um discurso completíssimo sobre todos os detalhes do novo condomínio. Metragem, número de cômodos, vagas na garagem, climatização, políticas de sustentabilidade e financiamento. Tudo isso no meio de uma via movimentada e na hora do almoço.
Pela calçada veio a executiva de tailleur azul. A mulher estendeu um folheto a ela, rogou ao Pai que lhe trouxesse luz. A executiva de tailleur azul se recusou a recebê-lo. Não tinha como segurar mais uma coisa. Estava com dois celulares, bolsa de mão, casaco e ainda fumava. Precisava ter três mãos pra pegar mais aquela filipeta. A mulher do condomínio continuou caminhando. Mas logo disparou em voz alta. Depois Deus castiga, faz a pessoa perder a mão e aí vem o choro, a revolta. É vaca mesmo.

DIVINA PIADA

Havia um humorista muito coerente com seus princípios. Era do contra. E escarnecia todos, sem exceção. Um dia, fez uma piada nas redes sociais sobre Deus. Foi crucificado pelos conservadores. Mas os progressistas acharam que a piada era com eles. E criticaram o humorista. Os centristas, achando-se excluídos da polêmica, passaram a atacar o bufão em seus canais na internet. Enquanto que os ateus, aproveitando-se do acontecido, foram logo metendo a boca no repertório do comediante. Assim foi.
Passaram-se algumas semanas e Deus desceu à Terra. Ficou uma eternidade elogiando a picardia do satírico. E propôs que ele fosse fazer um show de stand-up no céu. Com tudo pago e garantia de retorno à vida. Só exigia uma coisa: nenhuma piada sobre Ele.

A POLARIZAÇÃO

Dois inimigos políticos – um de esquerda, outro de direita – moravam na mesma pensão. Um dia, estavam olhando pela janela e o esquerdista disse: “olha, lá longe, que duna mais linda!”

O direitista discordou: “que duna, que nada, aquilo é um lago”.

Depois de muito polarizarem, e se xingarem, decidiram ir até o local e tirar a dúvida.

Andaram o dia inteiro sob um sol abrasador. Quando chegaram ao final da praia, o esquerdista se arrastou até o lugar da discórdia, pegou um punhado de areia e jogou no outro.

“Olha aqui, é uma duna, bem que eu falei!”

O direitista, retirando os grãos de cima da roupa, devolveu:

“Não me molha, seu idiota!”