Se o sujeito é contra-almirante pode ser considerado comunista?

(Reimund Bertrams por Pixabay )

 

A democracia é um regime em que todos participam. A ditadura também, só que todos participam amordaçados.

Fascismo tabajara é ser fascista sem saber o que é fascismo.

O Brasil já foi monarquista, escravagista, abolicionista, ufanista, militarista. Hoje é surrealista.

A tirania está para o bom senso, assim como o cassetete está para o diálogo.

Dentro de cada brasileiro há um caipira texano, armado até os dentes, querendo sair.

Os genocidas armamentistas só contam mentiras de grosso calibre.

Quando sairmos desses tempos sombrios, não seremos nem uma sombra do que já fomos.

Brasil: a Idade Média na Idade Mídia.

O Brasil virou uma memeocracia.

Já notou que a primeira coisa que que aumenta num governo racista são os black-outs?

Se gosta tanto de arma distribua uma que mate a fome.

Há uma Uzi no fim do túnel.

Não sei como as democracias morrem, mas o que fazem para matá-las está tudo na internet.

Ninguém vive duas vezes o mesmo golpe de Estado.

Nunca se viu tanta Vossa Excelência virando Vossa Excrescência como agora.

Toda generalização é perigosa. Especialmente em países da América Latina.

Ainda prefiro a gritaria das redes sociais à lei do silêncio.

Elite militar é uma contradição em termos.

Se o sujeito é contra-almirante pode ser considerado comunista?

É um governo que, em vez de projetos, tem projéteis.

Tem gente que nem é mais neofascista, já é neoplasia.

Exército. Braço forte, mão muy amiga.

A intimidação é o novo diálogo.

Os militares aprenderam uma lição: vírus não se mata de fuzil.

O Brasil nunca teve conjuntura, só ditadura.