“Você sabe que está ficando velho quando as velas começam a custar mais caro do que o bolo.”

(Bob Hope)

 

(Arte: British Library)

Descolar um emprego após os 40 anos já é muito difícil. Manter-se empregado, após os 50, é mais complicado que preencher formulário de Imposto de Renda.

Hoje em dia fala-se bastante em enfrentamento ao ageísmo: o preconceito, em especial no trabalho, contra os mais velhos. Fala-se. Porque, na maioria dos casos, se você encontrar um ancião em atividade numa empresa, ele deve ser, ou o presidente dela, ou o tiozinho que vende brigadeiro.

Conheço alguns (pouquíssimos) sexagenários que conseguem manter a carteira assinada. Mas quase todos descobriram algum podre no dono. E eventualmente o chantageiam em troca da colocação. Fora essa situação singular, não tenho notícia de nenhum longevo em cargo destacado.

Recordo que, quando completei 38 anos, meu cabelo passou a ficar mais branco que o da média masculina. O colega de baia, ao notar, me deu o cartão de uma profissional de ballayage. Achei que fosse uma prostituta de luxo, mas era a cabeleireira que sabe disfarçar as melenas grisalhas. Por preguiça acabei não indo. Devia ter ouvido o conselho.

De todo modo, vão aqui algumas dicas para permanecer um pouco mais de tempo no ambiente de trabalho após os 50. Mas já vou avisando: apenas a ballayage, como antes, não será suficiente.

15. Vestir-se com roupas de cores chamativas e extravagantes para lembrarem de sua existência no escritório.

14. Depois de pintar cabelo e barba de loiro, criar um novo visual mais próximo da Geração Y. Começar usando meias magenta.

13. Chamar todo mundo no trabalho de ‘cara’ e ‘véio’.

12. Cavanhaque e tattoos para idosos e botas Dr. Martens roxas para idosas são mandatórios.

11. Nunca ler livros físicos ou jornais impressos nos intervalos do trabalho, usar o Kindle.

10. A cada dez palavras em Português, usar sete em Inglês.

9. Trocar o carro pelo patinete elétrico (consulte antes seu auxílio funeral).

8. Instalar na boca um aparelho ortodôntico com borrachinhas verdes.

7. Dizer que tem uma playlist no Spotify só com grupos de rock indies da Noruega. Importante: jamais chamar uma banda de conjunto.

6. “Fazer uma tatuagem de orca na cara aumenta, segundo pesquisas, em 70% as chances de um idoso arrumar emprego CLT.”

5. Levar uma marmita hipster ao refeitório só com vagens, quiabos e bardana e declarar-se vegano.

4. Percorrer os corredores do escritório, de fone de ouvido wireless, dançando aos rodopios como se estivesse numa balada.

3.  Pedir a seu neto as fotos que ele fez na Islândia e postar no Instagram como se fossem suas.

2. Nunca mencionar as palavras doença, remédio e hospital.

1. Usar boné virado para trás.