Muitas vezes entramos em um dilema em saber se os animais ditos irracionais são capazes de expressar aquilo que sentem. A meu ver sim, mas nem sempre o ser humano está atento aos sinais ou compreende as suas necessidades. Um cachorro pode estar feliz porque vê o dono e sabe que vai comer ou entende que seu melhor amigo ficará alguns minutos por perto e poderá lhe dar um afago. São apenas alguns exemplos de condicionamentos a algumas situações. Mas há estudos que também apontam que bichos ficam deprimidos quando estão longe dos seus donos e podem até se envolver emocionalmente, afetando a sua saúde.

Mas o que nos torna tão especiais para nossos pets? A resposta pode estar na nossa insistência em humanizar esses animais. Conseguimos, ao passar dos anos, domesticá-los a ponto de se comportarem como membros da família e torná-los dependentes da nossa vida. Hoje, eles têm poltronas na sala e até pratos exclusivos no cardápio familiar.

E a comunicação também evoluiu. Com exceção de alguns seres humanos que parecem mais irracionais do que pensadores, que maltratam os bichos por não entender o seu modo de viver, é cada vez mais comum encontrarmos pessoas conversando com seus animais e compreendendo o que querem. E isso não é loucura. Duvido que você nunca tenha falado com o seu cachorro, nem que seja para dar uma bronca, e ele não tenha entendido. Ou já passou por uma situação em que você está chateado e ele encosta a cabeça sobre a sua perna, com aquela cara de solidário, como se dissesse: “Tudo vai dar certo”. Para muitos momentos, as palavras não são necessárias.

Só que, apesar de muitos acharem que um animal pode substituir o homem, eu não acredito que isso seja possível. Aliás, estudiosos da área de Psicologia creem que os bichos servem como companhia, mas que o amor direcionado a eles é bem diferente ao compartilhado com os seres humanos. E assim deve ser – respeitando seus limites, instinto e condições.

Quer queira ou não, para que haja uma convivência harmoniosa entre o dono e o animal é preciso parar e começar a entender essa “relação”, os sinais demonstrados pelo bicho e pela própria natureza. Já estamos começando a ver que há uma evolução da sociedade para isso e a relação de amizade, no que toca o papel do pet no nosso convívio, tende a criar maturidade. É claro que ainda há muita gente desinformada, que diz ser protetor dos animais para viver de aparência e até pessoas que não liguem para os bichos, mas mesmo que você não queira ter uma relação de afetividade com animais, basta respeitá-los e não maltratá-los que já colabora e muito. Já para quem gosta do assunto e quer saber mais a respeito, este blog tem a finalidade de ajudar os amantes de todos os bichos a se comunicar e a entender essa atmosfera, informar e conhecer as novidades do setor, além de dividir momentos de convivência com os animais.