Eu realmente gostaria de trazer boas notícias sobre o mundo animal e de como evoluímos em nossa relação com outras espécies, mas está difícil. A notícia que vou dar é, no mínimo, repugnante.

Na terça-feira (1/11), uma égua foi sacrificada brutalmente em Pinheiral (RJ), após ter caído na Rua Alagoas, no bairro Parque Mayra, possivelmente vítima de um acidente. Moradores acreditavam que ela tinha sido atropelada por um trem e que estava ferida, já que o bicho andou poucos metros e caiu.

Funcionário da Defesa Civil de Pinheiral (RJ) sacrificando o animal -
Reprodução: YouTube

A prefeitura foi avisada e enviaram a Defesa Civil para verificar o que houve. Ao chegar ao local, sem um veterinário presente, o funcionário decidiu sacrificar o animal dando marretadas em uma ponteira (ferramenta utilizada em obras para abrir pequenos buracos em concreto) na cabeça do bicho, na frente de crianças e dos munícipes, que eram contra a essa atitude.

O suspeito do ato é o coordenador da Defesa Civil (identificado apenas como Robson). A reportagem entrou em contato com a prefeitura para apurar o caso, mas não quiseram fornecer informações precisas, como o nome completo do funcionário, e se recusaram a dar entrevista. A assessoria limitou-se apenas a dizer que abriram uma sindicância para apurar o que aconteceu e que não podem dar mais informações.

O caso só repercutiu porque o morador Ronaldo de Paula dos Anjos registrou tudo em um vídeo e postou no YouTube. Não tenho nem coragem de expor aqui o endereço, mas quem tiver coragem e estômago para ver, basta pesquisar no site “égua” e “Pinheiral”. Mas alerto que as cenas são chocantes! Em entrevista ao jornal Diário do Vale, Ronaldo disse que o sacrifício “parecia um filme de terror”.

No vídeo é possível ver que o animal, mesmo após ser atingido várias vezes na cabeça, continua se movimentando e respirando. As últimas cenas são da égua sendo arrastada e jogada em uma retroescavadeira. Segundo informações dos moradores que presenciaram a cena, ela teria sido enterrada ainda viva, em uma cova improvisada em um terreno ao lado.

Revoltados, os munícipes registraram B.O. sobre o que havia ocorrido, formalizando a queixa no 101.º DP. O suspeito foi intimado a comparecer no distrito e na quinta-feira deverá prestar esclarecimentos.