Começa hoje a campanha de vacinação contra a raiva em cães e gatos na cidade de São Paulo. O município colocará à disposição 2.276 postos de vacinação, sendo 1.974 unidades volantes e 23 fixas. A meta é vacinar 900 mil animais.

ACOMPANHE O BLOG CONVERSA DE BICHO: FACEBOOK | TWITTER
Ouça o programa Conversa de Bicho na Rádio Estadão às 10h45, nas segundas, 
quartas e sextas-feiras.

vacinacao

Crédito: Divulgação/CCZ

A raiva é uma zoonose (doença que é transmitida de animais para os seres humanos) grave e praticamente incurável, que ataca principalmente o sistema nervoso central. Desde que se tem histórico de casos em humanos, raríssimos tratamentos pelo mundo (apenas 2) tiveram êxito depois da infecção pelo vírus e desenvolvimento da enfermidade. Normalmente, a raiva leva à morte, tanto o bicho quanto o homem.

A contaminação ocorre por mordida, arranhões ou lambedura de cães, gatos ou morcegos infectados, mas a vacinação anual dos pets garante a manutenção do controle da doença. Um ato simples, que não tem custo e que pode salvar a vida do seu melhor amigo, além de garantir a segurança de todos.

É importante saber que manter o animal imunizado é obrigação do tutor, conforme lei municipal, e que todos os cães e gatos com mais de três meses de idade devem receber a vacina – inclusive as fêmeas que estiverem amamentando, prenhas ou no cio -, exceto os doentes (animais com diarreia, secreção ocular ou nasal, sem apetite, convalescentes de cirurgias ou outras enfermidades). As seringas e agulhas utilizadas são descartáveis.

Se os bichos não puderem receber a antirrábica, por causa de doenças ou porque estão em tratamento, podem ser vacinados sem custo depois que liberados pelos veterinários. A prefeitura tem postos fixos no qual os animais podem ser levados para a imunização.

De acordo com o Centro de Controle de Zoonoses de São Paulo (CCZ-SP), não há registro de casos de raiva humana no Município desde 1981. Porém, a raiva é uma realidade, apesar de muita gente achar que não. Talvez porque os jovens não tiveram contato com informações sobre casos no passado.

Em 2012, um caso de raiva em uma gata, na zona sul da cidade, alertou a todos. Veja aqui a reportagem exclusiva.

Conheça a lista completa de postos de vacinação e o horário no site da Secretaria Municipal da Saúde.

Recomendações para o dia da vacinação

Para vacinar seu animal, o proprietário deverá identificar, no cartão de vacinação, o nome do cão ou gato e nº do Registro Geral Animal (RGA). Este documento ou comprovante atesta a vacinação contra a raiva, com validade de um ano.

Todos os cães devem estar com coleira e guia. A focinheira é obrigatória em animais bravos;

Gatos são mais assustados. Portanto, devem ser levados em caixas de transporte ou similar, evitando fugas ou acidentes;

Somente adultos com condições de conter os animais devem conduzi-los ao local de vacinação.

Outras práticas importantes para a prevenção da raiva:

Manter o animal domiciliado e levá-lo para passear somente com coleira e guia, evitando contato com outros animais desconhecidos.
Não mexer em cães e gatos desconhecidos para prevenir agressão.
Ao ser mordido ou arranhado por um cão ou gato, lave bem o local com água e sabão e procure orientação médica na unidade de saúde mais próxima.
Em especial para os felinos, deve-se cuidar para que não saiam à noite para locais abertos, o que evita contato com morcegos.

Serviço

Campanha de vacinação antirrábica para cães e gatos

Dias: 15 a 28 de agosto

Outras informações podem ser obtidas no site:

http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/saude/ ou pelo telefone 156.


ACOMPANHE O BLOG CONVERSA DE BICHO: FACEBOOK | TWITTER

Ouça o programa Conversa de Bicho na Rádio Estadão às 10h45, nas segundas, 
quartas e sextas-feiras.