cachorro enrolado no cobertor

Inverno pode ser perigoso para cães e gatos – gureu/Creative Commons

Com o frio aumentando em quase todas as cidades brasileiras, surge mais uma preocupação: como proteger os animais de estimação? Muitas pessoas pensam que, por terem pelos, os pets não sofrem com temperaturas baixas. Porém, cães e gatos podem ficar doentes se não forem aquecidos em dias com vento, chuva e frio.

Cães e gatos podem pegar gripe?

Segundo a especialista Luana Sartori, veterinária responsável pela Monello Select, da Nutrire, os pets também ficam resfriados e os sintomas são bem parecidos com os da gripe nos humanos. “Espirros, falta de apetite, secreção ocular e nasal, e febre podem ocorrer. Além disso, quando estão gripados, os animais ficam apáticos, sem vontade de brincar ou interagir com seus tutores”, explica Luana. Muito embora eles possam ficar gripados em qualquer estação, o inverno é sempre mais perigoso, principalmente para os animais que dormem fora de casa. Filhotes e idosos também sofrem mais com o frio e estão bem mais suscetíveis às doenças respiratórias.

Segundo a médica veterinária Adriana Souza dos Santos, Clínica Geral da AmahVet, há diferença entre as doenças que acometem os cães e os gatos. “Em cães, há a traqueobronquite, também conhecida como Tosse dos canis ou gripe canina. Já para os gatos, é a rinotraqueíte” aponta.

Dra Adriana alerta que a cinomose é uma doença viral, muito comum no frio, devido à resistência viral no ambiente.  Prevenção: Para todos animais, realizar vacinação anual, e ter acompanhamento com veterinário de confiança.

Os sintomas para cães e gatos podem ser bem diferentes. A médica veterinária Kelli Motta explica que a gripe canina é muito parecida com a gripe dos humanos. “Seus sintomas são febre, tosse seca ou com secreção, anorexia, letargia, espirros e tremores. Em alguns casos o quadro pode se agravar levando a uma pneumonia” diz, e continua “Já a rinotraqueite traz sintomas mais evidentes, como: secreção ocular e nasal, febre, espirros, anorexia, apatia e dificuldade respiratória”.

Para todas essas doenças, a prevenção ainda é a melhor solução. Basta vacinar os animais que está tudo resolvido! Segundo a médica veterinária Carla Berl, funcadora da rede PetCare, existem dois tipos de vacinas disponíveis no mercado: a vacina por via intra-nasal (o líquido é instilado dentro das narinas do cão) ou a injetável (o líquido é injetado abaixo da pele do animal). “Mas a desinfecção do ambiente e dos utensílios do animal doente (vasilhas de água e comida, cama e brinquedos) também é muito importante para evitar a transmissão para outros animais. Essas doenças são muito comuns em lugares com grande concentração de animais, como abrigos, por exemplo” elucida.

cachorro deitado com cobertor

Idosos sofrem mais no inverno – Thomas Cizauskas/Creative Commons

Inverno para cães e gatos idosos

Cães e gatos geriátricos podem apresentar muitas doenças ortopédicas que afetam sua qualidade de vida. Segundo Dra Carla, a doença mais comum é a Osteoartrose ou Artropatia Degenerativa (Artrose). Ambas acometem animais que têm problemas articulares, como hérnias de discos e displasia coxofemoral, além dos problemas articulares em joelhos, cotovelos e ombros.

Dra Carla explica que os animais com esse tipo de doença podem se mostrar relutantes a andar, se levantar, brincar, correr ou subir no sofá e escadas. “Ficam mais quietos, perdem o apetite devido a dor e apresentam maior dificuldade para urinar e defecar. Em dias mais frios e úmidos, os sinais clínicos costumam piorar” fala.

A artrose é uma doença crônica e, mesmo com tratamento, não apresenta cura – e sim o controle dos sintomas, principalmente controle da dor. Além do uso de analgésicos e anti-inflamatórios (prescritos apenas pelo médico veterinário, dependendo de cada caso), outros tipos de tratamento alternativos como acupuntura e fisioterapia ajudam no controle da dor.

Como saber se meu pet está com frio?

Vários sinais podem indicar que o peludo está com frio. “O pet busca lugares quentes, como os cantinhos da casa, por exemplo. Eles costumam ficar enroladinhos no próprio corpo, os focinhos e orelhas ficam gelados”, indica Dra Luana.

Não espere que seu pet comece a tremer para tomar uma atitude. Muitas vezes eles tremem quando estão com muito frio. Segundo a Dra Carla, os animais de pelo curto têm mais propensão a sentir frio. Já os animais de pelo longo e com sub-pelo, sofrem menos nessa época.

Cachorro de roupa

Roupas podem ser uma ótima alternativa para cães e gatos com frio – Kevin O’Mara/Creative Commons

Devo colocar roupa no meu cachorro ou gato?

A resposta é: depende. Cachorros são mais tolerantes, mas os gatos realmente não gostam de roupinhas, com algumas exceções. “É preciso analisar com bom senso, pois o que pode ser bonitinho para as pessoas, pode ser desconfortável ao extremo para o pet”, diz Luana.

Se o seu peludo não gosta de roupinha, você duas opções: fazer um treinamento para ele aceitar o acessório (veja como fazer no vídeo abaixo) ou oferecer um ambiente quentinho para ele.

Se a sua decisão for pela segunda opção, as camas de corino ou de plástico podem fazer um bom isolamento da friagem do chão. Mas, mesmo assim, deve ser oferecida uma coberta para que o pequeno possa se aninhar.

Se seu cachorro dormir fora de casa, a indicação é coloca-los em um espaço que não pegue golpes de ventos, um cômodo mais quentinho, usar cobertores, uma casinha mais fechada e se possível até um aquecedor.

Fique mais atento aos cães e gatos filhotes e os idosos, pois são mais propensos a ter queda de temperatura corporal.

A observação dos peludos é o mais importante para oferecer conforto a eles, seja no inverno ou em qualquer outra estação do ano. Não espere que seu pequeno adoeça ou passe frio para tomar uma atitude. O bem-estar deles é nossa responsabilidade!